Em 13/05/2020 15h12 , atualizado em 13/05/2020 16h41

Bolsonaro diz que Enem 2020 pode ser adiado "um pouco"

Notícias

TCU deve decidir ainda esta semana sobre o adiamento das provas, que estão marcadas para novembro. Por Adriano Lesme
Crédito da foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil
Crédito da foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil
PUBLICIDADE

Nesta quarta-feira, 13 de maio, o presidente Jair Bolsonaro cogitou o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, cujas provas estão marcadas para novembro. A fala foi dada a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

Saiba tudo sobre o Enem 2020

Segundo Bolsonaro, ele mantém conversas com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, sobre o assunto. Apesar de cogitar o adiamento, o presidente disse que as provas serão aplicadas esse ano.

"Estou conversado com o Weintraub. Se for o caso, atrasa um pouco [as provas do Enem 2020], mas tem que ser aplicado esse ano”. (presidente Jair Bolsonaro)

O adiamento do Enem 2020 vem sendo solicitado por estudantes, entidades representativas, Secretários de Educação, políticos e órgãos da Justiça desde a publicação do Edital, no final de março. Nos últimos dias, os apelos pelo adiamento têm crescido e até celebridades posicionaram-se contra a manutenção do atual cronograma. Nas redes sociais, o hashtag #AdiaEnem está constantemente entre os assuntos mais comentados.

Entre os argumentos apresentados nos pedidos de adiamento está o fato de boa parte das escolas públicas estarem sem aula devido à pandemia de coronavírus. Um outro motivo é a falta de acesso à internet entre estudantes de baixa renda, o que os impede de assistir aulas on-line e fazer a inscrição no Enem.

Em entrevista concedida ao Brasil Escola na última semana, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, afirmou que não é o momento para pensar no adiamento do Enem. No entanto, não descartou que o assunto possa ser pensado depois das inscrições.

"Mais para frente a gente vai poder avaliar qual será a situação do Brasil, se as aulas foram retomadas, para depois tomar uma decisão sobre o adiamento do Enem". (Alexandre Lopes, presidente do Inep)

Nesta semana, o Tribunal de Contas da União (TCU) deve decidir sobre o adiamento do Enem. Um parecer técnico da Secretaria de Controle Externo da Educação do TCU defendeu o adiamento do exame e o relator do processo, ministro Augusto Nardes, determinou que o Inep apresentasse sua posição sobre o parecer. A resposta do Inep foi recebida pelo TCU na última segunda-feira, dia 11.

Acompanhe aqui o processo

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Pedidos de adiamento

O Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed) foi a primeira entidade a se manifestar a favor do adiamento das provas, emitindo uma nota criticando o atual calendário do Enem 2020. Pouco depois, a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES) e a União Nacional dos Estudantes (UNE) colheram dezenas de milhares de assinaturas em um abaixo-assinado solicitando o adiamento.

A Defensoria Pública da União (DPU) chegou a entrar com uma ação cível solicitando o adiamento do Enem. Em decisão liminar, a Justiça Federal em São Paulo atendeu ao pedido da DPU, mas depois manteve o cronograma após as alterações promovidas pelo Inep no edital do Enem.

No Congresso, o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) apresentou Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para suspender o edital do Enem 2020, tornando-o inválido. A senadora Daniella Ribeiro (PP/PB) apresentou Projeto de Lei (PL) que, embora mantenha o Edital do Enem, consta com minuta prevendo a prorrogação de todos os prazos em caso de reconhecido de calamidade por parte do Congresso Nacional. 

No final de abril, os parlamentares Idilvan Alencar (PDT-CE) e Tulio Gadêlha (PDT-PE) também moveram uma ação pedindo o adiamento do Enem. Eles alegaram que a manutenção das datas "violam a igualdade de condições entre candidatos e a garantia de acesso aos níveis mais elevados do ensino". O parecer técnico da secretaria do TCU é justamente uma resposta a esta ação.

Na semana passada, 11 instituições públicas do Rio de Janeiro, entre elas a UFRJ e UERJ, assinaram uma nota pedindo ao Ministério da Educação (MEC) o adiamento do Enem 2020 em virtude da pandemia da covid-19. Dias depois, as universidades estaduais da Bahia (Uneb, Uesb, Uesc e Uefs) também emitiram uma nota contrária à manutenção do calendário do Enem.

Na última segunda-feira, a Une e a Ubes entraram com um mandado de segurança no Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedindo o adiamento das provas. Hoje, o STJ rejeitou o pedido por entender que não é da sua competência processar e julgar mandados de segurança apresentados contra autarquias, como é o caso do Inep.

Relacionados
O Inep reconheceu que houve uma lentidão na emissão dos boletos de alguns inscritos no Enem 2020. Estudantes reclamavam na demora desde o início das inscrições.
Estudantes estão relatando nas redes sociais alguns problemas durante o processo de inscrição no Enem 2020. As inscrições foram abertas na última segunda-feira, dia 11 de maio.
O Inep assinou hoje, 12/05, convênio com o IPAM do Porto, em Portugal, para aceitar notas do Enem. Exame já é aceito em 50 instituições portuguesas.
Quase todas as 100 mil vagas destinadas ao Enem Digital 2020 já foram ocupadas. Saiba como vão funcionar as provas digitais, que serão nos dias 22 e 29 de novembro.
Em entrevista concedida ao Brasil Escola, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, afirmou que este não é o momento para pensar no adiamento do Enem 2020.
Estudantes estão criticando nas redes sociais a nova peça publicitária do Ministério da Educação (MEC) sobre o Enem 2020. O vídeo "Enem 2020: o Brasil não pode parar!
O TFF-3 decidiu por manter o cronograma do Enem 2020 e pediu para que o Inep altere o site oficial do Enem com as novas informações sobre o processo de isenção da taxa.
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES