Whatsapp
Em 09/11/2017 09h30 , atualizado em 09/11/2017 09h48

Brasileiros medalhistas na Olimpíada Latino-Americana de Astronomia dão dicas de estudos

Notícias

Estudantes do ensino médio falam sobre a rotina de preparo para as competições e a relação com as provas do Enem e vestibulares. Por Rafael Batista
Delegação de estudantes brasileiros trouxe diversas medalhas da IX OLAA
Delegação de estudantes brasileiros trouxe diversas medalhas da IX OLAA
PUBLICIDADE

A rotina de aulas expositivas não é a única prática de estudos para alguns alunos dos ensinos fundamental e médio do Brasil. Diversas Olimpíadas Escolares movimentam estudantes, professores e escolas, promovendo conhecimento e competição.

É assim no caso de diversas disciplinas: Matemática, Língua Portuguesa e História, por exemplo. Mas há quem prefira conteúdos que não estão na grade da educação básica, como Astronomia.

Em 2017, um grupo de brasileiros participou da Olimpíada Latino-Americana de Astronomia (OLAA), que aconteceu durante o mês de setembro, no Chile. E o Brasil foi premiado na competição com quatro medalhes de ouro e uma de prata.

As provas da OLAA foram divididas em parte teórica, prática e de reconhecimento do céu. A primeira foi organizada em duas etapas: individual e em grupo, mesclando as delegações. Os competidores ainda participaram de uma prova de lançamento de foguetes em grupos multinacionais. A avaliação de reconhecimento do céu real foi individual e exigiu o manuseio de telescópio.

Motivação

Miriam Harumi foi uma das
medalhistas na IX OLAA

A estudante Miriam Harumi, de 17 anos, já participou de outras competições, mas sempre tendeu para as disciplinas de exatas, por influência do pai que é engenheiro. Miriam é estudante do 3º ano do ensino médio em um colégio de Guarulhos, na Grande São Paulo.

Durante a preparação para as Olimpíadas, tanto a edição brasileira (OBA) quanto a Latino-Americana, a estudante conta que usou de muitas questões anteriores para estudar e teve acesso a livros da área. Além disso, a ajuda dos professores na escola foram de fundamental importância.

Na preparação para as competições de Astronomia, das quais participa desde o 8º ano do ensino fundamental, Miriam aproveitou muito os conteúdos estudados, especialmente no que diz respeito à disciplina de Física. “A única desvantagem foi ter que abdicar um pouco do tempo que seria dedicado às matérias de humanas”, completa.

Além da influência do pai, as competições ajudaram na escolha do curso superior. Miriam quer fazer Engenharia de Materiais, que une Matemática, Química e Física.

Exatas na prática

Para o estudante Henrique Barbosa de Oliveira, de 18 anos, o grande benefício das Olimpíadas de Astronomia é ver alguns conceitos aprendidos na escola serem aplicados na prática. Segundo ele, isso contribui para aumentar o interesse pelos estudos, especialmente pelas disciplinas de exatas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Outra vantagem em participar de disputas escolares, segundo Henrique, é o fato de o espírito de competição manter os concorrentes focados e motivados para seguir aprendendo. O estudante paulista considera vantagem o caráter interdisciplinar das provas da OLAA, pois isso ajuda na preparação para as provas do Enem.

“As competições permitem colocar em prática aquilo que aprendemos na escola e ajudam nas disciplinas de exatas cobradas no Enem” (Henrique de Oliveira)

Aprender a aprender

Para Bruno Piazza um dos benefícios das olimpíadas
escolares é autonomia nos estudos

O estudante Bruno Piazza, de 17 anos, também foi medalhista de ouro na OLAA 2017 e aponta como benefício da competição a autonomia nos estudos. Além das aulas específicas que a escola ofereceu durante a preparação para as provas, o estudante explica que “foi necessária uma dedicação extrema em casa, com a resolução de muitos exercícios de livros e listas indicados pelos professores”.

Bruno pontua também que a participação em olimpíadas escolares proporciona uma facilidade em perceber o melhor jeito de estudar. “As olimpíadas despertam o interesse pelos estudos, mesmo que seja por uma área específica, tendo em vista que requer um conhecimento aprofundado da matéria”, completa.

Dicas

Os medalhistas em Olimpíadas Escolares separaram algumas dicas de estudos para quem quer se preparar para o Enem ou Vestibulares. Anote!

- Dedique tempo aos estudos, criando uma rotina;

- Organização: separe livros e cadernos para os estudos;

- Faça muitos exercícios, não fique apenas na resolução pronta, mas resolva você mesmo algumas questões;

- Busque provas anteriores;

- Conheça os conteúdos e a frequência com que aparecem nas provas que você pretende fazer;

- Na área de exatas, não busque aprender mais do que é exigido nas provas, isso pode prejudicar conteúdos básicos do ensino médio;

- Relacione os conteúdos, pois o enunciado de uma questão pode ajudar a responder outra.

Relacionados
Uma equipe brasileira conquistou medalha de prata na "Copa do Mundo de Física" realizada em Pequim, de 19 a 26 de julho. O grupo de cinco estudantes do ensino médio foi premiada na 31ª International Young Physicists' Tournament (IYPT).
Com duas medalhas de ouro e duas de prata, cinco estudantes brasileiros trouxeram para o país o prêmio de 3ª melhor equipe mundial conquistado na Olimpíada Internacional de Economia (IEO – International Economics Olympiad), realizada em Moscou/Rússia, de 14 a 22 de setembro. 
Saiba como participar de Olimpíadas Científicas ou Escolares. Descubra como participar das olimpíadas de Matemática, História, Geografia, Astronomia, Biologia, Física, Química e Língua Portuguesa no Brasil. Como se inscrever, como são as provas e muito mais.
Mestranda da PUC-Rio criou projeto Matemática para Garotas ao perceber pouca presença de meninas nas olimpíadas escolares de matemática.
No primeiro dia do Enem 2017, no último domingo (5), os inscritos responderam, em um mesmo dia, vez todas as questões de disciplinas da área de humanas e produziram a redação
Professores comentam o tema da redação do Enem 2017 e falam o que os participantes deveriam citar.
Saiba como o vencedor da Olimpíada Internacional de Matemática (IMO) 2018 usou a internet para estudar para a competição. Medalha de ouro para o Brasil, Pedro Lucas Sponchiado, de 17 anos, complementou o conteúdo visto em sala de aula com material disponível online.
Mais de 1,2 mil estudantes de 11 estados participaram da final da 10ª Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB) nos dias 18 e 19 de agosto na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em São Paulo. 
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES