Whatsapp
Em 10/07/2017 15h30 , atualizado em 10/07/2017 15h33

Unesp cria Comissão de Avaliação para evitar fraudes no sistema de cotas

Notícias

Por enquanto, a instituição vai averiguar somente as autodeclarações de quem foi denunciado. Por Lorraine Vilela Campos
PUBLICIDADE

A Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp) anunciou nesta segunda-feira, 10 de julho, a criação de uma Comissão para evitar fraudes no preenchimento das vagas reservadas para cotistas pretos e pardos. 

Leia também: Fraudes expõem falhas no sistema de cotas raciais

Por enquanto, a Unesp fará a verificação das autodeclarações somente de estudantes que foram denunciados por supostas fraudes para assumir as vagas reservadas aos cotistas raciais. Os indígenas não passarão pela análise da Comissão porque a veracidade das informações dadas por eles é comprovada pela Fundação Nacional do Índio (Funai). 

Em comunicado publicado no site da Unesp, a instituição afirma que foram recebidas diversas denúncias e que foram encontrados "fortes indícios de fraude". A universidade não expõe números, mas informa que trata-se de algo que ocorre em diversos campi e cursos. 

A Unesp realizará entrevistas com os estudantes que forem convocados e levará em consideração o fenótipo (cor da pele, dos olhos, cabelo e traços) e aspectos subjetivos, como o caso da vivência que a pessoa tem com o grupo com o qual se identifica. 

O estudante terá direito à ampla defesa e poderá se justificar, apresentando inclusive documentos. A averiguação  obedecerá os critérios estabelecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para casos de autodeclaração

Criação da Comissão

A Comissão de Avaliação das autodeclarações foi criada no fim de 2016, com o objetivo de averiguar as possíveis fraudes do sistema de cotas. Entre janeiro e junho de 2017, a Unesp recolheu as denúncias e analisadas para a elaboração da proposta da equipe permanente que realizará as entrevistas pessoalmente. 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Cada unidade universitária da Unesp designará um integrante do Núcleo Negro Unesp para Pesquisa e Extensão (NUPE), professores indicados pela Congregação ou Conselho Diretor, um servidor da Seção Técnica de Graduação e um assistente social da instituição, além do apoio da Assessoria Jurídica. 

O estudante que não for considerado preto ou pardo pela Comissão será desligado da Unesp. Em caso de próximos vestibulares, sua matrícula não será permitida. 

USP e Unicamp

A Universidade de São Paulo (USP) divulgou na última semana a adoção progressiva às cotas em seu vestibular no Sistema de Seleção Unificada (SiSU), além do aumento da oferta pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A meta é chegar a 50% das vagas reservadas aos cotistas até 2021, começando em 37% por unidade acadêmica agora em 2018. 

A USP não realizará a verificação da autodeclaração de seus estudantes e vestibulandos. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que utilizará as cotas em 2019, não fará a avaliação das informações prestadas por pretos e pardos. 

Relacionados
Enquanto USP e Unicamp anunciaram adesão ao sistema de cotas, Unesp e UFU decidiram criar comissões para evitar fraudes. Saiba mais!
O Inep vai anular as notas de 13 participantes do Enem que foram indiciados por fraude em processos seletivos.
Denúncias de fraude no sistema de cotas faz universidades criarem comissões de avaliação da autodeclaração de raça.
Conheça a lei que obriga as instituições federais a adotarem cotas para estudantes de escolas públicas.
Universidades e institutos federais deverão informar ao Ministério Público Federal se adotam comissões para confirmar a veracidade de candidatos autodeclarados pretos e pardos em vestibulares que oferecem vagas para cotistas.
A USP anunciou que vai aceitar o SiSU como forma ingresso para parte das vagas nos cursos ministrados na FMUSP. Haverá reserva de vagas para o sistema de cotas.
UFMG anunciou nesta segunda-feira, 25 de setembro, por meio desta nota, que, a partir de 2018, vai adotar novas medidas para aperfeiçoar a política de ações afirmativas. 
O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) aprovou mudanças na sua Política de Ações Afirmativas. Confira!
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES