Topo
pesquisar
Em 07/10/2016 09h25, atualizado em 01/01/2001 00h00

A polêmica do novo ensino médio

Blog do Vestibular

O artigo não representa a opinião do site. A responsabilidade é do autor do texto.

Medida Provisória pode ter sido um tiro no pé na relação entre o atual Governo Federal e profissionais da educação Por Adriano Lesme
Governo ainda precisa esclarecer vários pontos da reforma do ensino médio
Governo ainda precisa esclarecer vários pontos da reforma do ensino médio
PUBLICIDADE

No final do mês passado, a publicação de uma Medida Provisória que promove mudanças no ensino médio causou uma série de debates entre estudantes, professores e demais profissionais da área da educação. Enquanto alguns aprovam, por exemplo, a flexibilização curricular, outros estão preocupados com uma possível exclusão de disciplinas como Artes e Educação Física.

A Medida Provisória nº 746 altera toda a estrutura do ensino médio, que será dividido em duas partes: conteúdo comum a todos até o final do 1º semestre do 2º ano; conteúdos específicos a partir do 2º semestre do 2º ano. Além disso, a MP aumenta gradualmente a carga horária anual, o que significa que as escolas deverão funcionar em tempo integral.

Na teoria, as mudanças são positivas, uma vez que há quase um senso comum entre especialistas em educação de que o atual ensino médio é engessado e desinteressante para os estudantes. No entanto, ainda existem muitas dúvidas de como o novo ensino médio vai funcionar na prática.

A MP exclui trechos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) que tornavam obrigatório o ensino de Artes, Educação Física, Sociologia e Filosofia no ensino médio. O Ministério da Educação (MEC) afirma que essas disciplinas farão parte da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que será ensinada até a metade do ensino médio, mas na MP não há nada afirmando isso. Aliás, as únicas disciplinas obrigatórias durante todo o ensino médio serão português, matemática e inglês.

O que vai ser ensinado?

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O conteúdo da BNCC será definido até a metade de 2017, caso se confirme a previsão do MEC, pelo Conselho Nacional de Educação, após ouvir o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional de Dirigentes da Educação (Undime). E os estudantes? Entendo que se o Governo Federal quer organizar o ensino médio para torná-lo mais atrativo aos discentes, nada mais lógico que ouvi-los. 

Temas como constituição, funcionamento do Congresso, os trâmites para aprovação de uma lei, cálculo do imposto de renda e economia doméstica precisam ser ensinados no ensino médio. Infelizmente, essa não me parece ser a intenção do atual Governo Federal, que se mostra mais preocupado em diminuir o conteúdo das disciplinas de Humanas, justamente aquelas que mais fazem o jovem questionar o sistema político.

Veja também: Colégios aprovam mudança no ensino médio, mas aguardam esclarecimentos

A meu ver, o Governo Federal errou ao alterar o ensino médio por meio de uma Medida Provisória. Mudanças bruscas como as que o MEC propõe precisam ser antes debatidas com a sociedade, principalmente com conselhos de educação e órgãos estudantis. A MP soou como uma ação arbitrária do Governo, o que causou um desgaste desnecessário na já fragilizada relação com profissionais da educação.

Espero que o Governo mude seu modo de agir e passe a dialogar com a sociedade antes de implantar as mudanças que o país precisa. Em todas as áreas.

Quer participar da discussão? Deixe seu comentário no final da página!

BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola