Whatsapp
Em 19/07/2016 11h03 , atualizado em 20/07/2016 10h29

Escola Sem Partido: pluralidade ou censura?

Blog do Vestibular

O artigo não representa a opinião do site. A responsabilidade é do autor do texto.

Defensor da neutralidade política, ideológica e religiosa em sala de aula, Programa Escola Sem Partido está dividindo opiniões. Por Wanja Borges
Professores alegam que projeto representa a volta da ditadura
Professores alegam que projeto representa a volta da ditadura
Crédito da Imagem: Shutterstock
PUBLICIDADE

Há pouco mais de dois meses, professores e educadores da rede pública de Alagoas estão proibidos de manifestar opinião sobre diversos temas em sala de aula. Isso porque a Assembleia Legislativa do estado promulgou a lei nº 7.800, conhecida como Escola Livre ou Escola Sem Partido, que defende a neutralidade política, ideológica e religiosa.

Imediatamente, o Ministério da Educação (MEC) encaminhou à Advocacia-Geral da União (AGU) argumentos que justificaram uma ação direta de inconstitucionalidade, como cerceamento do exercício docente, restrição do papel do professor, censura de conteúdos e materiais e proibição do livre debate no ambiente escolar. 

Contudo, apesar de o órgão ter se posicionado contra a medida, processos semelhantes continuam sendo debatidos na Câmara dos Deputados e em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal. Um deles é o Projeto de Lei nº 193, de 2016, que está em tramitação no Senado Federal e motivou abertura de consulta pública sobre o Programa.

Favoráveis

Até as 10h30 desta quarta-feira, 20 de julho, 108.364 pessoas já haviam se manifestado favoráveis à medida. Esta parcela da sociedade vem defendendo que a doutrinação política e ideológica em sala de aula ofende a liberdade de consciência do estudante, afronta o princípio de neutralidade política e ideológica do Estado e ameaça o próprio regime democrático.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além disso, os favoráveis argumentam que a falta de regulamentação no sistema de ensino extrapola limites éticos e jurídicos da liberdade de ensinar e muitas vezes expõe conteúdos que possam estar em conflito com as convicções morais dos estudantes e de seus pais. A imparcialidade e a defesa de uma educação neutra também são apontadas para defender o Programa.

Contras

Já os contrários somavam 131.420 votos até as 11h30. Para eles, o Programa representa censura de ideias, retrocesso na democracia e risco à liberdade de pensamento, expressão e diversidade. A proposta, apelidada por muitos de “Lei da Mordaça”, também é vista pelo grupo como uma medida para silenciar e perseguir professores e prejudicar o processo de ensino-aprendizagem.

Quem é contra a Escola Sem Partido reforça, ainda, que a medida acaba defendendo uma partidarização da escola, diferente do seu slogan, já que cita somente conteúdos considerados de esquerda. Além disso, ela compromete a pluralidade de ideias, a ampliação do debate e a orientação e formação de pensamento crítico, e dificulta a resolução de conflitos que possam ocorrer em sala de aula, como ligados a gênero e religião.

E você, de que lado está? O Vestibular Brasil Escola quer saber sua opinião!

Relacionados
A passagem da Tocha Olímpica por Manaus terminou com um triste episódio: a morte da onça juma. Animal foi usado em cerimônia momentos antes de morrer.
Medida Provisória do novo ensino médio causou uma série de debates entre estudantes, professores e demais profissionais da educação.
Durante a votação do impeachment da Presidenta a polícia optou por separar os manifestantes e evitar confronto.
Uma ação apresentada pelo Movimento Escola sem Partido no TRF 1 pede que o termo Direitos Humanos seja retirado do edital do Enem.
O projeto de lei Escola sem Partido, apoiado pela bancada da Bíblia, pretende proibir o uso das expressões gênero e orientação sexual nas salas de aula. A medida é polêmica e mostra um retrocesso na liberdade de expressão e nos direitos humanos.
O MPF, por meio da PFDC, recomendou ao (Inep não criar uma comissão para revisar as questões do banco do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
Notícias de violência contra as mulheres em diversos estados do Brasil levantaram discussões sobre o machismo e a cultura do estupro.
Conheça Malala Yousafzai, símbolo da luta de mulheres pelo direito à educação, mais jovem premiada o Nobel da Paz. A ativista esteve no Brasil neste mês de julho para falar sobre questões ligadas à educação e anunciar o patrocínio para três escolas brasileiras, tendo o foco no ensino de meninas.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES