Whatsapp
Em 03/02/2022 10h30 , atualizado em 25/02/2022 17h41

Tensão entre Rússia e Ucrânia

Atualidades

A anexação da Crimeia pela Rússia em 2014 fez ressurgir conflitos territoriais com a Ucrânia. Em 2021, a ameaça de invasão ao território ucraniano aumentou a tensão na região. Por Paloma Guitarrara
As tensões entre Rússia e Ucrânia escalaram em 2021, mas tiveram início ainda no ano de 2014 com a anexação da Crimeia pela Rússia.
As tensões entre Rússia e Ucrânia escalaram em 2021, mas tiveram início ainda no ano de 2014 com a anexação da Crimeia pela Rússia.
PUBLICIDADE

Nas primeiras horas do dia 24 de fevereiro de 2022, por volta das 23h do dia 23 no Brasil, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou em rede nacional de TV uma operação militar na região do Donbass, no leste da Ucrânia. O ato foi visto como uma declaração de guerra.

Apesar de a Rússia ter confirmado apenas ações militares no Donbass, onde recentemente reconheceu os governos das repúblicas separatistas de Donetsk e Luhansk, foram registrados ataques a bases militares ucranianas em outras regiões.

A tensão entre a Rússia e a Ucrânia aumentou após milhares de soldados russos serem posicionados nas fronteiras com o território ucraniano, o que despertou o alerta para uma invasão russa na Ucrânia.

Essa movimentação atípica começou em novembro de 2021 e se intensificou em janeiro de 2022, mas a origem do conflito é mais antiga.

As raízes do conflito estão na crise política que se instalou na Ucrânia no ano de 2014 e na anexação da Crimeia pela Rússia nesse mesmo período. Além disso, os russos tentam impedir uma maior aproximação da Ucrânia com a Otan, sendo essa uma das exigências impostas por parte da Rússia em meio às negociações.

Leia também: A importância estratégica da Crimeia

Contexto da tensão atual entre Rússia e Ucrânia

A atual escalada de tensão entre a Rússia e a Ucrânia iniciou-se a partir do final de 2021, quando a Rússia deslocou mais de 100 mil soldados e um conjunto de aparatos militares, como veículos blindados e armamentos, para a sua fronteira com o país do Leste Europeu, o que foi interpretado como uma ameaça de invasão ao território ucraniano.

No dia 26 de janeiro de 2022, o governo russo divulgou imagens de uma parte do seu grupo militar em treinamento em Rostov, próximo da divisa setentrional com a Ucrânia. O território ucraniano possui quase dois mil km de fronteiras terrestres com a Rússia, situada ao norte, leste e sudeste.

Não obstante as negativas do governo russo sobre uma eminente invasão e guerra contra a Ucrânia, esse movimento por parte da Rússia provocou a reação dos líderes ucranianos e despertou o alerta em todo o mundo, especialmente nos Estados Unidos e nos demais membros da Otan e da União Europeia. O secretário-geral da Otan, no entanto, negou que a organização auxiliará militarmente a Ucrânia em caso de um ataque promovido pela Rússia,|1| embora tenha reforçado a segurança em seus países-membros do Leste Europeu.|2|

As tensões geopolíticas entre a Rússia e a Ucrânia, no entanto, não surgiram recentemente. Na verdade, o atual problema já se estende por quase oito anos, e tem suas raízes em 2014, ano em que a Rússia anexou o território da Crimeia.

A Crimeia é uma península ucraniana que havia sido incorporada ao país em 1954, quando ainda fazia parte da União Soviética. Localiza-se no mar Negro, a sudeste da parcela continental do território ucraniano. Essa região apresenta uma profunda conexão étnico cultural com a Rússia, considerando que o russo é um dos principais idiomas falados na Crimeia e uma grande parcela de sua população é de origem russa.

A anexação da Crimeia ocorreu depois da deposição do presidente ucraniano pró-Rússia Viktor Yanukovich, seguindo a crise política que se instaurou no país a partir do final de 2013. Outros motivos associados aos avanços da Rússia na fronteira ucraniana são as negociações que estavam em curso entre a Ucrânia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o que significaria uma maior presença ocidental, principalmente dos Estados Unidos, no Leste Europeu.

A crise de 2013/2014 deu origem a um intenso conflito no leste da Ucrânia, na região de Donbass, provocado pelo surgimento de grupos separatistas pró-Rússia, que constituíram duas repúblicas independentes não reconhecidas nem pelo governo ucraniano nem pela comunidade internacional, que são as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk. Ambas têm, entretanto, o apoio de Moscou.

Nota-se, além disso, que a Ucrânia, os Estados Unidos e outros membros da Otan executaram exercícios militares no mar Negro em meados de 2021, próximo de onde se localiza a Crimeia, o que elevou a desconfiança da Rússia.

Clique na imagem para ampliar

Agravamento da crise política da Ucrânia

A crise política no país teve início no mês de novembro de 2013, quando houve a suspensão (ou adiamento) das negociações que estavam em curso entre a União Europeia e a Ucrânia. A falta de um acordo levou centenas de milhares de ucranianos às ruas para protestarem contra a decisão, demonstrando ainda a sua insatisfação frente ao governo do então presidente Viktor Yanukovich, alinhado com a política russa e um dos protagonistas da Revolução Laranja de 2004, ocasionada pelas denúncias de fraude nas eleições presidenciais disputadas e vencidas por Yanukovich naquele mesmo ano. Seu opositor era Viktor Yushchenko.

Uma das exigências dos manifestantes era a retomada das negociações de Kiev com a União Europeia, o que foi negado por Yanukovich. Diante disso, foi exigida do presidente a sua renúncia ao cargo. A reação do governo ucraniano aos protestos deixou mortos e feridos entre janeiro e fevereiro de 2014, fato que suscitou a escalada dos conflitos e a ocupação, por parte dos manifestantes, de prédios oficiais do governo. Em 22 de fevereiro daquele mesmo ano, Yanukovich foi destituído pelo Parlamento ucraniano.

Todos esses eventos, em especial o afastamento do presidente alinhado com a Rússia, promoveram o agravamento da crise política na Ucrânia, gerando um conflito no leste do país denominado  Guerra de Donbass ou Guerra da Ucrânia, caracterizado pelo enfrentamento de grupos separatistas pró-Rússia e o exército ucraniano. A guerra resultou em milhares de pessoas refugiadas e aproximadamente 14 mil mortes, além da destruição de cidades, muitas transformadas em campos de batalha, e lavouras agrícolas. Kiev recebeu o apoio direto dos Estados Unidos, da Otan e da União Europeia, enquanto a Rússia se aproximou de Belarus.

Instaurou-se no período um conflito inicialmente de caráter diplomático com o país vizinho, mas que tomou um novo contorno com o apoio demonstrado pelos russos aos grupos separatistas do leste ucraniano e com a posterior anexação da Crimeia. Em 2015, Ucrânia, Rússia, Alemanha e França assinaram os Acordos de Minsk, que demandavam o cessar-fogo e a retirada de armamentos pesados no leste do território ucraniano, mas, ainda assim, os conflitos não chegaram ao fim como se esperava.

Soldados nas áreas ocupadas pelos militares russos e separatistas pró-Rússia na região leste da Ucrânia.[1]
Soldados nas áreas ocupadas pelos militares russos e separatistas pró-Rússia na região leste da Ucrânia.[1]

Importância da Ucrânia para a Rússia

Antes de se tornar uma nação independente, no ano de 1991, após a dissolução da União Soviética, o território da Ucrânia fez parte da Rússia. Para além disso, ambos os países têm a mesma origem histórica. A importância da Ucrânia para a Rússia abrange ainda questões estratégicas para a manutenção de sua soberania externa e também econômicas.

Muitos especialistas de política internacional analisam que a Ucrânia, pela relação histórica que tem com a Rússia e, sobretudo, pela sua posição geográfica, representa uma espécie de barreira entre as influências do Ocidente, mais precisamente de organizações internacionais como a Otan, e o território russo.|3| Assim, a Rússia se manteria como uma das principais nações influentes na região do Leste Europeu. É justamente por isso que um acordo entre a Ucrânia e a União Europeia, além da cooperação com a Otan, seria potencialmente prejudicial para a Rússia.

Em se tratando da localização do território ucraniano, ele já foi, no passado, uma barreira para o avanço de tropas militares sobre a Rússia, representando assim uma “zona de segurança” para o país.|4|

A importância econômica da Ucrânia está diretamente ligada à exportação de gás natural da Rússia para a Europa, pois os gasodutos utilizados pelo país atravessam o território ucraniano, o que, em contrapartida, gera uma receita de quase dois bilhões de dólares por ano para a Ucrânia.|5|

Veja também: Atualidades — a volta do Talibã ao poder no Afeganistão

Por que os EUA são contra a invasão?

Os Estados Unidos, desde o início da escalada de tensões entre a Rússia e a Ucrânia, posicionaram-se contrários às ofensivas russas e demonstraram apoio diplomático ao governo ucraniano. O país, em conjunto com a Otan, recusou a exigência russa de impedir a entrada da Ucrânia na organização e ainda ameaça a imposição de severas sanções econômicas a Moscou caso a situação termine em um impasse. O atual presidente norte-americano Joe Biden fala até mesmo em sanções pessoais contra Vladimir Putin, presidente russo.|6|

A forma como foi efetivada a retirada das tropas norte-americanas no Afeganistão, junto do fracasso da ocupação no país do Oriente Médio, bem como a conjuntura interna fragilizada dos Estados Unidos no atual momento|7| representam dificuldades para que o país apoie uma possível invasão na Ucrânia, que resultaria em um conflito de maior escala na Europa. Além disso, a posição da China diante do conflito e uma maior aproximação com a Rússia imporiam desafios ainda maiores aos Estados Unidos na manutenção de sua hegemonia internacional.

Reflexos da tensão para o mundo

O conflito entre Rússia e Ucrânia impõe reflexos não somente na Europa, que vive um momento de muita tensão com a ameaça à segurança interna no continente, mas em todo o mundo, inclusive no Brasil. De imediato, a tensão entre essas nações suscita um impasse diplomático para os demais países, especialmente para aqueles que mantêm relações com ambos.

O cenário econômico internacional também é afetado, uma vez que a Ucrânia e a Rússia são grandes produtores e exportadores de cereais e grãos, especialmente para a Europa. O território russo é ainda o terceiro maior produtor mundial de petróleo e gás natural, atrás somente dos Estados Unidos e da Arábia Saudita, tendo assim papel fundamental no mercado dessas commodities, principalmente no que diz respeito aos preços do barril de petróleo.

Confira no nosso podcast: A geopolítica do petróleo

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Como o assunto pode cair nas provas?

As tensões entre a Rússia e a Ucrânia têm sido, desde o final de 2021, um tema muito importante e recorrente em todos os noticiários brasileiros e internacionais, e certamente algumas questões a esse respeito aparecerão nas provas de Ciências Humanas dos próximos vestibulares. Atente-se para os seguintes temas:

  • relações históricas entre a Rússia e a Ucrânia;
  • relações políticas e econômicas entre os Estados Unidos e os países do Leste Europeu;
  • crise política na Ucrânia;
  • anexação da Crimeia pela Rússia;
  • geopolítica do Leste Europeu;
  • importância econômica da Rússia e da Ucrânia para a Europa;
  • Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan);
  • União Europeia.

Notas

|1| DW. Otan não enviará tropas à Ucrânia em caso de ataque russo. DW, 30 jan. 2022. Disponível aqui.

|2| DW. Otan reforça presença militar no Leste Europeu. DW, 24 jan. 2022. Disponível aqui.

|3| MACIEL, Camila. Entenda o conflito entre Rússia e Ucrânia e como ele afeta o Brasil. Agência Brasil, 29 jan. 2022. Disponível aqui.

|3| BARINI, Filipe. Entenda em oito perguntas a crise na Ucrânia e o risco de guerra. O Globo, 01 fev. 2022. Disponível aqui.

|4| BERMÚDEZ, Ángel. 3 fatores que explicam por que a Ucrânia é tão importante para a Rússia. BBC News Mundo, 31 jan. 2022. Disponível aqui.

|5| GIEGLOW, Igor. Entenda a crise entre a Rússia de Putin, a Ucrânia e as forças da Otan. Folha de S.Paulo, 25 jan. 2022. Disponível aqui.

|6| DW. Biden ameaça impor sanções diretas contra Putin. DW, 26 jan. 2022. Disponível aqui.

|7| MACIEL, Camila. Entenda o conflito entre Rússia e Ucrânia e como ele afeta o Brasil. Agência Brasil, 29 jan. 2022. Disponível aqui.

Créditos da imagem

[1] E.Kryzhanivskyi / Shutterstock

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia

Assista às nossas videoaulas
Artigos Relacionados
Este mês a Semana de Arte Moderna, que ocorreu entre 13 e 18 de fevereiro de 1922, completa 100 anos. Veja um resumo sobre o evento que mudou a arte no Brasil.
Acesse para entender por que o Talibã retomou o poder do Afeganistão depois de 20 anos. Veja como esse assunto pode ser cobrado no Enem.
Blog comenta a disseminação de fake news durante a guerra entre Rússia e Ucrânia. Saiba o que fazer para filtrar as informações e não prejudicar os estudos.
Saiba o que de mais importante aconteceu no Brasil e no mundo em janeiro de 2022 e chegue preparado para as provas de vestibular e Enem.
Saiba o que foi notícia no Brasil e no mundo no mês de fevereiro de 2022 aqui no Atualidades do Brasil Escola!
Entenda as crises energética e hídrica no Brasil e como os assuntos podem cair no Enem e nos vestibulares em 2021 e 2022.
Saiba mais sobre a realidade do país Haiti contextualizando os estudos com possíveis temas que podem estar nas provas dos vestibulares e Enem.
Em meio a destruição de cidades e mortes de soldados e civis, uma outra preocupação surge com a permanência da guerra: os impactos ambientais.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES