Whatsapp
Em 30/11/2021 12h03 , atualizado em 30/11/2021 12h04

Novidade do Governo Bolsonaro, Enem Digital é marcado por erros e baixa adesão

Notícias

Falta de contato com prova digital no ensino médio e insegurança quanto à aplicação afastam estudantes. Por Adriano Lesme
PUBLICIDADE

O Enem Digital foi anunciado em julho de 2019 como uma iniciativa do Governo Bolsonaro para reduzir os custos do exame. Com duas edições já realizadas, até o momento a versão digital da prova enfrenta problemas e não atrai os estudantes.

Na época do anúncio, o então ministro da Educação Abraham Weintraub afirmou que a intenção era aumentar gradativamente o número de participantes da versão digital até 2026, quando o Enem passaria a ser feito unicamente em computadores e em várias datas. No entanto, não houve aumento de vagas e aplicações de 2020 para 2021.

Em 2020, ano de estreia, o Enem Digital permitiu a inscrição de até 101 mil estudantes do 3º ano do ensino médio ou que já haviam concluído os estudos. Dos 93 mil estudantes que tiveram a inscrição confirmada, apenas 26,7 mil fizeram as provas – uma abstenção de 71,3%

Para esse ano foram mantidas as 101 mil vagas para o mesmo grupo de estudantes. A novidade foi a participação de pessoas que necessitam de atendimento especializado, o que não ocorreu na primeira edição. O Enem Digital 2021 teve 68.892 inscrições confirmadas, mas somente 34 mil estudantes participaram das provas, uma abstenção de 50,1%.

Saiba como funciona o Enem Digital

De acordo com Daniel Cecílio, diretor pedagógico do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante, vários fatores poderiam explicar a baixa procura e grande abstenção. “Um fator pode ser simplesmente o fato dos alunos ainda preferirem o formato tradicional de prova impressa, que estão mais acostumados e, consequentemente, se sentem mais seguros assim”. 

Para o diretor pedagógico, a insegurança em relação ao processo como um todo também acaba afastando os estudantes. No primeiro Enem Digital, muitos participantes relataram problemas nos computadores e alguns tiveram que fazer a prova impressa na reaplicação do Enem.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Problemas

Os erros que ocorreram no Enem 2020 voltaram a acontecer esse ano. O estudante Clovis de Mello Neto, de 17 anos, participou do Enem Digital em um prédio da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, e relatou que várias salas tinham computadores com problemas. Por conta disso, teve que esperar do lado de fora da sala por uma hora e meia até que pudesse iniciar a prova, às 15h. O tempo de prova foi acrescido.

“Eles iam resolvendo de sala em sala e, quando foi resolver da minha, já tinha passado uma hora e meia. Não foi muito legal. A gente teve que ficar esperando um tempão sem saber de nada, sem saber o que estava acontecendo.” 

Um problema semelhante ocorreu no campus de Petrolina do Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF Sertão), mas não foi resolvido em tempo dos estudantes fazerem a prova. Os participantes prejudicados terão que solicitar a reaplicação até o dia 3 de dezembro.

O Brasil Escola entrou em contato com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para obter uma resposta sobre os problemas do Enem Digital, mas até o momento não fomos respondidos. O espaço segue aberto para o Inep se pronunciar.

Leia também: Enem 2021 termina com a menor participação em mais de uma década

Confiança

Para o estudante Guilherme Filho Silva, de 22 anos, o Inep deveria promover um meio dos estudantes se habituarem com a prova digital antes do Exame Nacional. Ele fez esse ano o Enem pela segunda vez e em nenhuma delas optou pela versão digital. “Eu não optei pelo Enem Digital porque eu me preparei sempre com a prova física. Não estou habituado a fazer provas na tela do computador, nem simulados”.

Aluno do Curso Poliedro, em São José dos Campos, Guilherme comenta que se sente mais seguro com a prova física, porque não depende de uma máquina para conseguir responder as questões com tranquilidade. 

“Se acabar a energia e o computador desligar, como que fica? A prova impressa você tem a garantia que estará na sua mesa. As possibilidades de imprevisto são menores.”

Apesar da desconfiança, Guilherme afirma que poderia fazer a versão digital em uma eventual nova participação. “Na medida que o Inep conseguir contornar os diversos problemas que se tem no ambiente digital, como servidor e computadores funcionando corretamente, a confiança vai aparecer”.

Clovis Neto também daria uma nova chance ao Enem Digital, caso o Inep garanta a segurança da aplicação. “Eu até prefiro a versão digital porque não precisa preencher o gabarito ao final da prova, ganhando mais tempo para as questões”, revela o estudante do 3º ano do ensino médio do Colégio Positivo.

Relacionados
Estudantes de escolas particulares, pagantes ou bolsistas parciais, poderão se inscrever no ProUni. Decisão foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.
Entre os 3,1 milhões de inscritos na edição de 2021 do Enem 2021 cerca de 2,1 milhões compareceram aos dois dias de provas.
Corretores das redações do Enem 2021 terão que avaliar cerca de 1.200 textos em até 20 dias. Veja como funciona o processo de correção.
O gabarito do Enem 2021 foi divulgado nesta quarta-feira, 1º de dezembro. Não há prazo para recursos.
Estudantes comentaram o segundo dia de provas do Enem 2021. Domingo contou com questões de Ciências da Natureza e Matemática.
O resultado do Enem 2021 será divulgado no dia 11 de fevereiro de 2022. A informação foi dada pelo presidente do Inep, Danilo Dupas.
O Enem 2022 oferecerá 101.100 vagas para a sua versão digital. A quantidade é a mesma desde 2020, ano de estreia do novo formato.
Começou hoje, 29 de novembro, o prazo para solicitar a reaplicação do Enem 2021. Período vai até 3 de dezembro.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES