Topo
pesquisar
Em 21/11/2019 11h42, atualizado em 21/11/2019 11h48

UEM aprova cotas para negros em seus Vestibulares

Notícias

Reserva de vagas foi aprovada no Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro. Por Lorraine Vilela Campos
Crédito da Foto: Assessoria de Comunicação Social da UEM
Crédito da Foto: Assessoria de Comunicação Social da UEM
PUBLICIDADE

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) aprovou as cotas para negros (pretos e pardos, segundo o IBGE) para seus vestibulares. A reserva de vagas foi aprovada no Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro, em votação da reunião plenária do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP).

Veja também: Pretos e pardos ultrapassam brancos no ensino superior público

As cotas para negros valerão a partir do Vestibular de Inverno 2020 e estarão presentes nos processos seletivos tradicionais de Inverno e Verão da UEM, mas NÃO farão parte do Processo de Avaliação Seriada (Pas). 

De acordo com a UEM, a divisão das vagas oferecidas nos Vestibulares de Inverno e Verão ficará da seguinte forma:

– 60% das vagas para ampla concorrência.

– 20% das vagas para cotas sociais (já existentes).

– 20% das vagas para as cotas para negros: 3/4 vão para negros de baixa renda e 1/4 para negros que não sejam de baixa renda.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Inclusão na universidade

A universidade ressalta que o IBGE nomeia como negros os pretos e pardos, por isso, tais estudantes são contabilizados como população negra. Levantamento feito pela UEM mostra que os alunos negros representam 20,37% dos matriculados na instituição. 

A luta pelas cotas para negros na UEM ganhou força em 2018 com as solicitações do Coletivo Yalodê-Badá, do Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afrobrasileiros (Neiab) e o Diretório Central dos Estudantes (DCE). A causa teve apoio da população estudantil por meio de um abaixo-assinado com mais de 3 mil participações e incentivo de movimentos sociais. 

O IBGE divulgou em 13 de novembro um estudo em que identificou que pretos e pardos representam 50,3% das matrículas das universidades públicas, ultrapassando o número de brancos pela primeira vez. A adoção de cotas faz parte das ações que alavancaram a presença desta parcela da população no ensino superior público brasileiro. 

BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola