Whatsapp
Em 13/11/2019 15h02 , atualizado em 13/11/2019 15h02

Pretos e pardos ultrapassam brancos no ensino superior público

Notícias

Apesar do crescimento, ainda há desigualdade em relação aos brancos nos índices da educação. Por Adriano Lesme
PUBLICIDADE

Os estudantes autodeclarados pretos e pardos representam 50,3% das matrículas nas instituições públicas de ensino superior, ultrapassando pela primeira vez o número de brancos. Os dados foram divulgados hoje, 13 de novembro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O estudo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, do IBGE, fez uma análise das desigualdades entre brancos e pretos ou pardos ligadas à educação, trabalho, moradia, distribuição de renda, representação política e violência, no ano de 2018.

Segundo o IBGE, o aumento do número de pretos e pardos em universidades públicas se deve a medidas adotadas a partir dos anos 2000, como: Lei de Cotas, Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), Sistema de Seleção Unificada (SiSU), Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e Programa Universidade para Todos (ProUni).

Entenda a Lei de Cotas

No entanto, o instituto afirma que a população preta e parda ainda é sub-representada nas universidades, pois constituem 55,8% da população brasileira. Na rede particular, pretos e pardos somam 46,6%.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O estudo do IBGE também apontou que a porcentagem de pretos e pardos de 18 a 24 anos no ensino superior subiu de 50,5% para 55,6% de 2016 para 2018. Mesmo com essa melhora, o índice ainda fica bem abaixo dos 78,8% de estudantes brancos de mesma faixa etária no ensino superior.

Ainda segundo o IGBE, um entrave para um equilíbrio no indicador é a taxa de ingresso no ensino superior. Enquanto 53,2% dos brancos que terminam o ensino médio entram na faculdade, o índice cai para 35,4% entre pretos e pardos.

Um outro fator apontado pelo IBGE é que a maioria dos jovens com ensino médio completo que não cursam superior porque precisam trabalhar é preta ou parda. Eles representam 61,8% e os brancos 38,2%.

A população preta e parda também continua abaixo da branca na taxa de conclusão do ensino médio, 61,8% contra 76,8%. Apesar da distância, o índice era de 58,1% em 2016.

O estudo completo do IBGE pode ser acessado aqui.

Relacionados
As provas do Enem 2019 encerraram, mas para muitos estudantes a jornada de provas está apenas começando. Veja como é a preparação.
Veja quem tem direito às cotas do ProUni e como elas funcionam. Programa Universidade Para Todos concede bolsas de estudos aos participantes do Enem e, ainda, reserva parte de suas oportunidades para os cotistas raciais.
Confira todas as exigências para um estudante negro participar de vestibulares como cotista.
Conheça a lei que obriga as instituições federais a adotarem cotas para estudantes de escolas públicas.
A UEM aprovou as cotas para negros em seus vestibulares. A reserva de vagas foi aprovada no Dia Nacional da Consciência Negra.
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES