Em 20/06/2018 09h24

Mecânica no Enem

Enem

Elaboramos um resumo de alguns dos principais temas de Física Mecânica que caem no Enem para você preparar-se para o exame. Por Rafael Helerbrock
A Mecânica é o assunto da Física que foi mais cobrado no Enem nos últimos anos
A Mecânica é o assunto da Física que foi mais cobrado no Enem nos últimos anos
PUBLICIDADE

A Mecânica é o tema de Física que mais caiu no Enem entre 2009 e 2016. Nesse período, mais de 30% de todas as questões de Física do Enem abordaram esse assunto. A Mecânica é um grande ramo da Física que compreende o estudo do movimento e repouso dos corpos e pode ser dividida em três áreas menores:

  • Cinemática: É o estudo dos movimentos sem preocupação com as causas que geraram o movimento. Nessa área, estudamos as funções horárias da posição, os gráficos de velocidade e tempo, ultrapassagens, travessias, aceleração, velocidades médias etc.

  • Dinâmica: É o estudo do movimento que leva em conta as suas causas, ou seja, é o estudo das forças, Leis de Newton, Gravitação Universal, energia mecânica etc.;

  • Estática: Compreende o estudo dos corpos em situações de equilíbrio. Abrange o estudo do equilíbrio de corpos extensos e a hidrostática, que é o estudo dos fluidos em repouso.

Veja também: Dez equações essenciais de Física para o Enem

Neste artigo vamos apresentar um resumo sobre os principais conceitos de Cinemática, Dinâmica e Estática que costumam cair na prova de Física do Enem.
 

Cinemática

Confira alguns dos conceitos mais importantes de Cinemática para o Enem:
 

→ Velocidade média:

A velocidade é uma grandeza vetorial. Trata-se da razão entre o deslocamento de um corpo e o intervalo de tempo. A grandeza utilizada para velocidade média no Sistema Internacional de Unidades é o metro por segundo (m/s). É comum vermos essa grandeza escrita em km/h. Para fazer a conversão entre uma e outra, basta usar a seguinte regra:

De m/s para km/ h – multiplicamos por 3,6

De km/h para m/s – dividimos por 3,6

A fórmula usada para calcular a velocidade média é a seguinte:

Legenda:
ΔS = Sf – S0 = Deslocamento (m)

SfPosição final (m)
S0 = Posição inicial (m)

Δt = tf – t0 = Intervalo de tempo (s)
tf =Instante final (s)
t0 = Instante inicial (s)

Dizemos que, se a velocidade de um móvel é positiva, ele se afasta do referencial adotado e, portanto, o movimento é progressivo. Quando a velocidade é negativa, o móvel está aproximando-se do referencial, e o movimento é regressivo.

Veja também: Movimento progressivo e movimento retrógrado
 

→ Aceleração média:

Aceleração é uma grandeza vetorial que mede a variação de velocidade de um corpo em determinado intervalo de tempo. Quando um corpo aumenta de velocidade, sua aceleração é positiva e o seu movimento é acelerado. Quando a velocidade do corpo diminui, dizemos que seu movimento é retardado. A unidade mais comum para aceleração é o m/s2. Quando a aceleração à qual um corpo é submetido é constante, dizemos que o corpo encontra-se em movimento retilíneo uniformemente variado. A fórmula usada para calcular a aceleração é esta:

Legenda:
Δv = vf – v0 = Variação da velocidade (m/s)

vf = Velocidade final (m/s)
v0 = Velocidade inicial (m/s)

Δt = tf – t0 = Intervalo de tempo (s)
tf =Instante final (s)
t0 = Instante inicial (s)

Veja também: Movimento uniformemente variado
 

→ Função horária da posição do MUV

Para calcular a posição final, inicial ou a distância percorrida no MUV, podemos usar o gráfico de vxt, uma vez que a distância percorrida (ΔS) sempre corresponde à área desse gráfico. Podemos usar também a função horária da posição:

Legenda:
Sf = Posição final (m)
S0 = Posição inicial (m)
v0 = Velocidade inicial (m/s)
t = Intervalo de tempo (s)
A = aceleração média (m/s²)

A área do gráfico acima (trapézio) pode ser calculada pela fórmula a seguir:

Veja também: Exercícios sobre Movimento Uniformemente Variado
 

→ Aceleração centrípeta:

Permite que um corpo possa fazer uma curva. Essa aceleração é sempre perpendicular à velocidade do corpo e aponta para o centro da curva. Para calcular a aceleração centrípeta, usamos a seguinte equação:

Legenda:
Ac = aceleração centrípeta (m/s²)
v = velocidade (m/s);
R = raio da curva (m)

 

Dinâmica

Confira alguns conceitos importantes da Dinâmica e as suas definições para se preparar bem para o Enem.

Força: é um agente físico que pode alterar o estado de movimento de um corpo ou ainda deformá-lo. Para entendermos o conceito de força, é importante falarmos das três Leis de Newton:

  • 1ª Lei de Newton (Lei da Inércia): Se a força resultante sobre um corpo for igual a zero, ele pode estar em repouso ou em movimento retilíneo uniforme. Confira o esquema a seguir:

 

Veja também: Exercícios sobre a 1ª Lei de Newton

  • 2ª Lei de Newton (Princípio fundamental da Dinâmica): A força resultante sobre um corpo é igual ao produto de sua massa por sua aceleração. Além disso, a aceleração adquirida pelo corpo tem a mesma direção e o mesmo sentido que a força resultante sobre ele e é inversamente proporcional à massa do corpo. Confira o esquema a seguir:

Legenda:
Fr = Força resultante (N)
m = massa (kg)
a = aceleração (m/s²)

Caso queira mais detalhes sobre como calculamos a força resultante, acesse este link.

Veja também: Cinco coisas que você precisa saber sobre as leis de Newton

  • 3ª Lei de Newton (Lei da Ação e Reação): Quando aplicamos uma força em algum corpo, recebemos desse corpo a mesma força, na mesma direção, mas com sentido oposto. Essas duas forças chamam-se par de ação e reação. Na figura a seguir, temos um martelo que faz força sobre um prego. Independentemente de suas massas, a ação e reação neles têm o mesmo módulo, mesma direção e sentidos opostos.

    Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Teorema do impulso e da quantidade de movimento

O Teorema do Impulso está ligado diretamente à 2ª Lei de Newton. Esse teorema diz que:

O impulso aplicado sobre um corpo é igual à força aplicada sobre ele (considerada constante), multiplicada pelo intervalo de tempo que essa força age sobre o corpo.

Observe a equação:

Legenda:
I = Impulso (kg.m/s ou N.s)
F = Força aplicada (N)
Δt = Intervalo de tempo (s)

O impulso aplicado sobre um corpo é responsável pela mudança na quantidade de movimento desse corpo. Observe a definição em forma de equação:

Legenda:
I = Impulso (kg.m/s) ou (N.s)
ΔQ = Qf – Q0: Variação da quantidade de movimento (kg.m/s)
Qf = Quantidade de movimento final (kg.m/s)
Q0 = Quantidade de movimento inicial (kg.m/s)
vf = velocidade final (m/s)
vi = velocidade inicial (m/s)
m = massa (kg)

Independentemente da forma utilizada, a definição de impulso é a mesma e a sua unidade é dada em kg.m/s ou N.s. Essas unidades são equivalentes entre si.
 

Energia Mecânica, Cinética e Potencial

A energia mecânica de um corpo é definida pela soma de sua energia cinética com a energia potencial. Sua unidade no SI é o Joule. A energia cinética, por sua vez, está relacionada ao movimento do corpo. A energia potencial é uma forma de energia que pode ser armazenada de alguma forma, como as energias potencial gravitacional e a energia potencial elástica.

  • Energia mecânica: é a soma da energia cinética com a energia potencial de um corpo.
     

Legenda:
Em = Energia mecânica (J)
Ec = Energia cinética (J)
Ep = Energia potencial (J)

  • Energia cinética: é a porção da energia mecânica relacionada à massa e à velocidade do corpo. É definida pela fórmula a seguir:

Legenda:
Ec = energia cinética (J)
m = massa (kg)
v = velocidade (m/s)

  • Energia potencial gravitacional: é a energia que depende da altura de um corpo em relação à superfície em regiões que apresentam gravidade. Ela pode ser definida pela fórmula a seguir:
     

Legenda:
Ep = energia potencial gravitacional (J)
g = gravidade (m/s²)
h = altura (m)

  • Energia potencial elástica: é a energia relacionada à elasticidade dos corpos. Quando um corpo elástico é deformado, ele acumula energia elástica. Essa forma de energia pode ser calculada pela fórmula a seguir:

Legenda:
Epel = energia potencial elástica
k = constante elástica da mola (N/m)
x = deformação da mola (m)

 

Conservação da energia mecânica:

Quando não há forças dissipativas, tais como a resistência do ar ou a força de atrito, dizemos que a energia mecânica total do sistema conserva-se, isto é, seu valor é mantido constante. Em forma de equação, podemos dizer que:

Legenda:
Emi = Energia mecânica inicial (J)
Emf = Energia mecânica final (J)
Eci = Energia cinética inicial (J)
Ecf = Energia cinética final (J)
Epi = Energia potencial inicial (J)
Epf = Energia potencial final (J)

 

Estática

Todo corpo que se encontra em repouso ou em movimento retilíneo e uniforme está em equilíbrio. Quando um corpo se move com velocidade constante, ele está em equilíbrio cinético; quando em repouso, ele está em equilíbrio estático.


Pedras em equilíbrio estático

A Estática estuda as condições para que um corpo esteja em equilíbrio. Existem três tipos de equilíbrio. Confira:

  • Equilíbrio indiferente: Quando a posição do objeto é alterada e mesmo assim ele permanece em equilíbrio, dizemos que ele está em uma condição de equilíbrio indiferente.

  • Equilíbrio estável: Se um corpo sempre voltar a sua posição de equilíbrio após ter saído dela, dizemos que ele está em equilíbrio estável. Confira a figura a seguir:
     

  • Equilíbrio instável: Se um objeto afasta-se de sua posição de equilíbrio e sempre tende a se afastar mais ainda, dizemos que ele se encontra em equilíbrio instável. Observe a figura:

Veja também: Centro de gravidade
 

Condições de equilíbrio:

Existem duas condições para que um corpo esteja em equilíbrio. A primeira diz respeito ao equilíbrio translacional: a força resultante sobre ele deve ser nula. A segunda diz respeito ao equilíbrio rotacional: a resultante dos torques (também chamados de momentos de uma força) deve ser nula. Confira o esquema a seguir:

Torque ou momento de uma força:

Chamamos de torque ou de momento de uma força a grandeza física vetorial que pode fazer os corpos rotacionar. Ele é definido pelo produto da força aplicada pela distância do ponto de aplicação da força (chamado de braço de alavanca) até o eixo de rotação do corpo (chamado de polo). A fórmula usada para calcular o torque é esta:

Legenda:
F = força aplicada (N)
d = distância até o eixo de rotação (m)
cos θ = ângulo entre a força e o braço de alavanca (°)

A figura a seguir apresenta uma balança de torção em duas situações: uma situação de equilíbrio, na qual a soma dos torques produzidos pelos pesos da esquerda e direita é nula, e uma situação na qual o torque produzido pelo peso da direita é maior que o da esquerda, por isso, a balança gira no sentido horário:


Por Rafael Helerbrock
Graduado em Física

Assista às nossas videoaulas
Artigos Relacionados
Professor Fábio Vidal resolve durante uma hora vários exercícios de Física que podem cair na prova de Ciências da Natureza do Enem. Confira!
Confira algumas dicas de Física nesta videoaula que será transmitida no dia 18 de novembro, às 20h.
Confira as dicas do professor de Física para o Enem nesta aula sobre Máquinas Térmicas e Termodinâmica.
Aqui você encontra as principais dicas da Física cobrada nos vestibulares.
Conteúdo programático de física do ENEM
A nova concepção das questões de física do ENEM
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES