Whatsapp
Em 16/08/2018 10h18 , atualizado em 16/08/2018 12h32

Em qual Brasil nosso Judiciário vive?

Blog do Vestibular

O artigo não representa a opinião do site. A responsabilidade é do autor do texto.

STF quer aumento de 16% e salário de R$ 40 mil, enquanto país vive crise e corta verba da Educação. Por Adriano Lesme
PUBLICIDADE

No início de agosto, o Superior Tribunal Federal (STF) votou um reajuste de mais de 16% nos seus próprios salários para 2019. A decisão ainda depende da aprovação do Congresso, mas o ato em si chama a atenção devido ao atual cenário econômico brasileiro. Para fins de comparação, o último reajuste do salário mínimo foi de 1,7%, portanto, abaixo da inflação (quase 3%).

Os ministros do STF têm uma responsabilidade grande ao propor o próprio aumento, pois seus salários são o teto do funcionalismo público. Isso significa que também aumentará automaticamente os rendimentos de outros servidores, o chamado efeito cascata. Além disso, o Ministério Público aproveitou a decisão do STF para também anunciar o mesmo aumento para procuradores federais.

Atualmente, os ministros do STF recebem R$ 33,7 mil. Com o aumento, passariam a receber mais de R$ 39 mil. Eles ainda recebem benefícios extras, como auxílio-moradia de mais de R$ 4 mil, transporte, passagens aéreas, diárias em hotéis e férias de 60 dias. Em tempos de desemprego e rombo nas contas públicas, um aumento desse significa, no mínimo, uma falta de sintonia com a realidade brasileira. 

De acordo com matéria da Folha de São Paulo, o Judiciário é o único dos três poderes a não respeitar o limite de gastos. Nossos juízes parecem viver uma outra realidade, em um Brasil sem desigualdades e em pleno crescimento. O Governo Federal está cortando a verba de muitos ministérios, mas será que terá poder para impedir o aumento do Judiciário?

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Cortes na Educação

Poucos dias antes do STF decidir pelo aumento do próprio salário, uma notícia alarmante atingiu pesquisadores e bolsistas de programas de pós-graduação. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou uma nota afirmando não terá verba para as bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado a partir do segundo semestre do ano que vem, caso a Lei Orçamentária Anual (LOA) 2019 seja aprovada sem alterações.

O Ministério da Educação (MEC) terá um corte de quase 3 bilhões no orçamento para 2019 se comparado ao desse ano, o que afetará diretamente a Capes. O MEC segue negociando com o Ministério do Planejamento, mas as expectativas não são boas para o setor nos próximos anos.

Cortes na Educação não deveriam ser discutidos em um país com péssimo desempenho escolar. Há menos de 40 anos, a Coreia do Sul era um país mais pobre que o Brasil, mas investiu pesado na Educação e hoje possui números invejosos no ensino básico e superior. Atualmente, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita da Coreia do Sul é de 27.200 dólares, contra 8.600 do Brasil.

Caso um dia o Brasil chegue ao nível de uma Coreia do Sul, quem sabe não teremos problemas em aceitar um aumento desse no Judiciário. 

Relacionados
As recentes falas do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) causam preocupação quanto ao conteúdo das provas nos próximos anos.
A Copa do Mundo na Rússia tem sido marcada pelos jogos de futebol entre equipes de vários países mas infelizmente também pelas atitudes machistas de torcedores brasileiros para com as mulheres do país sede da Copa.
A greve dos caminhoneiros teve impacto em diversas áreas da economia brasileira. Mas até que ponto essa paralisação pode prejudicar ou ajudar a melhorar a vida do povo brasileiro?
Detentos de unidades prisionais e reeducandos que cumprem medidas socioeducativas encontram na educação uma forma de serem reinseridos na sociedade, driblando a precariedade de parte do sistema prisional brasileiro.
Saiba mais sobre o incêndio que destruiu o Museu Nacional, no último domingo (2), no Rio de Janeiro, e veja conexão com descaso do governo com programas culturais
Conheça Malala Yousafzai, símbolo da luta de mulheres pelo direito à educação, mais jovem premiada o Nobel da Paz. A ativista esteve no Brasil neste mês de julho para falar sobre questões ligadas à educação e anunciar o patrocínio para três escolas brasileiras, tendo o foco no ensino de meninas.
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES