Whatsapp
Em 09/07/2018 09h18 , atualizado em 10/07/2018 11h08

Copa do Mundo na Rússia e o machismo de torcedores brasileiros

Blog do Vestibular

O artigo não representa a opinião do site. A responsabilidade é do autor do texto.

Além de jogos de futebol entre equipes de vários países, outro fato tornou-se notícia aqui no Brasil e, infelizmente, envergonhando todos nós. Por Érica Caetano
Repórteres mulheres já foram assediadas por torcedores ao vivo. Crédito: pxl.store / Shutterstock
Repórteres mulheres já foram assediadas por torcedores ao vivo. Crédito: pxl.store / Shutterstock
PUBLICIDADE

A Copa do Mundo 2018 na Rússia teve início no mês passado. Além de jogos de futebol entre equipes de vários países, outro fato tornou-se notícia aqui no Brasil e, infelizmente, envergonhando a todos nós.

Circularam pelas redes sociais, pelo menos, dois vídeos bem parecidos nos quais torcedores brasileiros que estão na Copa e que, aproveitando das diferenças de idioma, colocam mulheres russas em situações constrangedoras. 

No vídeo com maior repercussão, os homens com a camisa do Brasil aparecem gritando ao redor de uma russa as palavras de cunho sexual, fazendo com que a mulher então repetisse sem saber o que significava. No outro, dois brasileiros aparecem ao redor de três russas e pedem para que elas repitam com eles frases também de cunho sexual. Obviamente, de novo, elas não faziam ideia do que estavam dizendo.

Machismo ou exagero?

Parece até meio óbvio ao falar que os vídeos viralizados são machistas, desrespeitosos e causam revolta. Mas acreditem, há muitos que alegam se tratar de exagero ao enxergar essas coisas. Afinal de contas, nem houve violência física, não é mesmo? 

Não sei vocês, mas ainda me choco quando ouço / leio coisas desse tipo. Isso só nos mostra o quanto a cultura do machismo ainda está presente em nosso dia a dia de forma tão forte a ponto de muitos não enxergarem a violência que estas mulheres passaram pelo simples fato de não terem sido agredidas fisicamente e que tudo é uma grande “frescura”.

Será que seria engraçado ou exagero se ao abrir o vídeo, a mulher constrangida e que não sabe o que está falando ou ao que está sendo submetida, fosse sua mãe, sua filha, sua irmã, sua namorada, sua esposa?

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Infelizmente algumas pessoas só conseguem enxergar e se revoltarem quando colocadas na situação. E mesmo assim olhe lá para dar o braço a torcer e ver que isso não é brincadeira, é assédio sim! Duvido se algum desses indivíduos que riram do vídeo teriam a mesma reação se a mulher que está nele fosse alguma de sua família.

Não deveria ser preciso fazer esse exercício de substituição das mulheres envolvidas em uma situação de constrangimento e violência por alguma de convívio dos homens para que eles entendessem o problema. 

Eu acredito que poderia ser sim brincadeira (de mau gosto, mas ok!) se as mulheres tivessem a consciência do que estavam repetindo e também concordassem com isso. Mas sabemos que nos vídeos em questão não foi o caso.

Tenho um filho pequeno e estou grávida de uma menina. Desde que descobri o sexo de ambos tenho algumas convicções quanto a criação deles. Para meu mais velho, tento mostrar e ensinar desde agora muito cedo que ele não é melhor do que nenhuma menina. Que ele pode brincar e fazer as mesmas coisas que as meninas e vice-versa, além do mais importante, é preciso respeitar toda e qualquer mulher.

Já a minha pequena que está a caminho, fico um pouco preocupada ao ver o mundo em que ela vai chegar e o machismo que ainda está enraizado em tudo, os abusos e desigualdades que ainda passamos. Mas desde a barriga já conversamos e sempre repito: sonhe alto minha pequena! Não deixe que ninguém diga a você que não pode isso ou aquilo por ser mulher.

Estou tentando fazer a minha (pequena) parte. E só para reforçar: machistas não passarão!

Relacionados
Faz uma semana que um assunto domina os jornais, a internet, as rodas de conversa: a Copa do Mundo 2018. E como ficam aqueles que estão se preparando para o Enem e gostam de futebol? 
Blog da Redação discute o aumento de salário pedido pelo STF, que vai na contramão da realidade brasileira. Em que Brasil vivem os membros do Judiciário? Ministério da Educação perdeu quase R$ 3 bilhões no orçamento para o próximo ano e bolsas de pós-graduação estão ameaçadas.
Notícias de violência contra as mulheres em diversos estados do Brasil levantaram discussões sobre o machismo e a cultura do estupro.
Campeonato de skate com premiação diferente para homens e mulheres e o fim das grid girls levantaram discussões sobre o machismo no esporte.
Conheça Malala Yousafzai, símbolo da luta de mulheres pelo direito à educação, mais jovem premiada o Nobel da Paz. A ativista esteve no Brasil neste mês de julho para falar sobre questões ligadas à educação e anunciar o patrocínio para três escolas brasileiras, tendo o foco no ensino de meninas.
A questão número 15 da prova de Educação Física do Vestibular de Inverno 2018 da UEPG exigia dos vestibulandos o conhecimento sobre a lesão que Neymar sofreu antes da Copa do Mundo da Rússia, quando jogava pelo seu time, o Paris Saint-Germain (PSG). Veja a questão.
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES