Dia internacional da mulher: aluna de 16 anos ganha 10 medalhas em olimpíadas científicas em apenas 2 anos

Medalhista explica como são competições, como participar e dá dicas de estudo que fazem diferença
Em 07/03/2023 17h03 , atualizado em 07/03/2023 17h21 Por Silvia Tancredi

Letícia dos Anjos Ferreira
Letícia dos Anjos é estudante do 2º ano
Crédito da Imagem: Divulgação
Imprimir
Texto:
A+
A-
PUBLICIDADE

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, que será amanhã, 8 de março, contamos a história de Letícia dos Anjos Ferreira. Com apenas 16 anos, a estudante do 2º ano do ensino médio ganhou dez medalhas em olimpíadas científicas em apenas dois anos. 

A aluna nasceu na cidade de Paulo Afonso (BA), mas mora em São José dos Campos (SP) há oito anos. A estudante, que é bolsista no Colégio Poliedro, já coleciona uma trajetória de sucesso. 

A primeira participação de Letícia em uma olimpíada científica foi no 8º ano do ensino fundamental. Na época, a adolescente estudava em uma escola pública e resolveu participar da Olimpíada Brasileira de Matemática de Escolas Públicas (Obmep).

Veja também: inscrições para Obmep 2023 estão abertas

Desde então, a estudante tomou gosto pelas competições e vem colecionando participações e premiações não só em olimpíadas da área de exatas, mas também de outras áreas como: Olimpíada de Astronomia e Astronáutica e Olimpíada de História do Brasil. 

“Assim que fiz a miha primeira olimpíada, me interessei e, depois, quis fazer o máximo de competições que podia. Tento participar de olimpíadas de várias áreas para ir diversificando”, comenta. 

E, à medida que a jovem vai avançado de ano na escola, ela também avança de nível nas olimpíadas.

“As olimpíadas científicas têm níveis, então a cada nível fica mais dificil porque acho que eles esperam que, quanto mais velho o aluno, ele seja não só mais inteligente, mas também mais preparado para um desafio maior”, conta a estudante.

Por que participar da Olimpíadas Científicas?

É interessante participar de Olimpíadas Científicas, de acordo com Letícia dos Anjos, porque nessas competições o aluno tem chance de ver conteúdos que não são ministrados na grade escolar. “Temos acesso a informações interessantes e curiosas que, muitas vezes, não temos tempo de ver na escola”, acredita.

Além disso, a jovem destaca que a participação em Olimpíadas Científicas permitiu que ela explorasse um novo mundo. “Percebi que as competições de ciências, principalmente das áreas de exatas e humanas, eram uma forma não só de aumentar o meu conhecimento, mas, também, estimular o meu lado competitivo”, afirma.

Confira como participar de olimpíadas científicas

A aluna percebeu que as olimpíadas são um desafio que a estimulam a saber mais.

“Participar de olimpíadas científicas é uma forma de expandir o conhecimento de uma forma prática e desafiadora. É uma motivação muito grande para ampliar ainda mais o nosso conteúdo sobre determinadas áreas do conhecimento”, ressalta.

Diferença entre as Olimpíadas Científicas

Letícia dos Anjos salienta que, no Brasil, há mais olimpíadas científicas de exatas. Mas, de acordo com a jovem, embora haja menos opções de competições da área de humanas e linguagens, elas também são bem interessantes. 

Pela sua experiência em olimpíadas, a aluna explica que, geralmente, aquelas voltadas a exatas se prendem mais a conteúdos específicos detalhados em um edital.

Por outro lado, as olimpíadas de humanas e linguagens costumam ser mais livres. A estudante, por exemplo, participou de uma olimpíada de Linguística e notou que não havia um conteúdo limitado. Mais bem, segundo ela detalha, os inscritos tinham que ter raciocínio lógico, pensamento crítico e disponibilidade para aprender.

"Outro exemplo foi na Olimpíada de História, que estimula que as equipes discutam entre si e corram atrás de professores para comentar as questões e tentam fugir do formato de prova ampliando debates sobre acontecimentos históricos", afirma.

Leia também: Inscrições para Olimpíada de História do Brasil 2023 já podem ser feitas

Dicas de estudo para Olimpíadas Científicas

Conforme a estudante Letícia dos Anjos, do curso Poliedro, a forma de estudo para as olimpíadas deve ser organizada e pode contar com a ajuda do colégio e dos professores. 

Veja abaixo dicas de estudo para as Olimpíadas Científicas:

  • Tenha iniciativa. Corras atrás das informações como inscrições, conteúdo, resultado, etc;

  • Veja se realmente tem vontade de participar da competição;

  • Seja curioso. Você terá que procurar o conteúdo e estudá-lo individualmente sem ter necessariamente alguém para ensinar;

  • Procure seus professores. 

“Os professores da escola gostam bastante quando o aluno que vai participar de olimpíadas científicas vai atrás dele para ter mais informações sobre a disciplina que ele ministra em sala de aula. O professor sente-se animado de ver que o estudante valoriza a matéria que ele está ensinando”, destaca a jovem. 

E o futuro da medalhista?

Quais são as próximas olimpiadas? "Estou inscrita nas olimpíadas de Geopolítica e de Filosofia", comenta. 

Com apenas 16 anos e no segudo ano do ensino médio, Letícia dos Anjos, ganhadora de dez medalhas olímpicas, já está pensando em vestibulares e no Enem.

A jovem acredita que deve escolher o curso de Economia. "Penso que vou tentar essa carreira em universidades de destaque, como a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)", enfatiza.

Saiba mais sobre o curso de Economia


Relacionados

Letícia dos Anjos Ferreira
Como participar de Olimpíadas Científicas
Saiba como participar de Olimpíadas Científicas ou Escolares. Descubra como participar das olimpíadas de Matemática, História, Geografia, Astronomia, Biologia, Física, Química e Língua Portuguesa no Brasil. Como se inscrever, como são as provas e muito mais.
Especial
Letícia dos Anjos Ferreira
Dia Internacional da Mulher: conheça história de mãe e farmacêutica aprovada em 4 vestibulares de Medicina
No Dia Internacional da Mulher, destacamos a história de Bruna, 35 anos, mãe e farmacêutica, aprovada em 2022 em quatro universidades públicas de Medicina
Notícias
Letícia dos Anjos Ferreira
Dia do Estudante: veja história de medalhista de olimpíadas que cursará área espacial
No Dia do Estudante, destacamos a história de Murilo, 15 anos, medalhista olímpico e que optou por estudar uma carreira espacial na universidade.
Notícias
Letícia dos Anjos Ferreira
Inscrições abertas para Olimpíada de Matemática Obmep 2023
A 18ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) abriu as inscrições hoje, 1º de fevereiro. Prazo segue até 17 de março.
Notícias
Letícia dos Anjos Ferreira
Inscrições para Olimpíada de História do Brasil 2023 estão abertas
As inscrições para a 15ª Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB) já estão abertas.
Notícias
Letícia dos Anjos Ferreira
Olimpíada de Matemática da Unicamp 2023: inscrições estão abertas
A Olimpíada de Matemática da Unicamp (OMU) 2023 está com inscrições abertas. Os candidatos podem se cadastrar até o dia 6 de abril.
Notícias
Letícia dos Anjos Ferreira
Unesp divulga resultado do Processo Seletivo Olimpíadas Científicas 2023
A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou nesta sexta-feira (3) o resultado do Processo Seletivo Olimpíadas Científicas 2023.
Notícias