Saiba como renegociar as dívidas do Fies em 2024

Com o programa de renegociação das dívidas do Fies, até 99% do valor a ser pago pode ser perdoado.
Em 19/02/2024 08h42 , atualizado em 20/03/2024 17h37 Por Tiago Vechi

Pessoa fazendo contas com papéis e calculadora
Até 99% da dívida pode ser perdoada
Crédito da Imagem: Canva
Imprimir
Texto:
A+
A-
PUBLICIDADE

A renegociação de dívidas do Fies pode ser feita até o dia 30 de maio deste ano. É necessário realizar a renegociação no Banco do Brasil ou na Caixa Econômica Federal, nas duas instituições é possível fazer este processo de forma online ou presencial. 

Para renegociar sua dívida do Fies, você pode ir até as agências, utilizar os aplicativos dos bancos ou acessar este site da Caixa.

Inclusive alunos que não estão inadimplentes podem negociar descontos nos pagamentos à vista. Veja as repostas das principais dúvidas relacionadas a renegociação de dívidas do Fies em 2024!

Como vai funcionar o perdão da dívida do Fies?

O programa de renegociação de dívidas do Fies atende alunos que firmaram seus contratos até 2017 com inadimplência até 30 de junho de 2023. O estudante inadimplente terá até o dia 30 de maio de 2024 para renegociar a dívida junto da instituição financeira coma qual ele estabeleceu contrato. 

As condições de parcelamento da dívida são as seguintes:

  • Para débitos vencidos e não pagos por mais de 90 dias, em 30 de junho de 2023, haverá desconto de até 100% sobre encargos (juros e multas) e de 12% sobre o valor financiado pendente para pagamento à vista; ou parcelamento em até 150 parcelas mensais e sucessivas do valor financiado pendente, com desconto de 100% dos encargos, mantidas as demais condições do contrato (ficam mantidas as garantias e eventuais taxas do contrato);
  • Estudantes com débitos vencidos e não pagos por mais de 360 dias, em 30 de junho de 2023, que estejam inscritos no CadÚnico ou que tenham sido beneficiários do Auxílio Emergencial 2021 terão desconto de até 99% do valor consolidado da dívida, inclusive principal, por meio da liquidação integral do saldo devedor em até 15 prestações mensais;
  • Estudantes com débitos vencidos e não pagos por mais de 360 dias, em 30 de junho de 2023, que não estão no CadÚnico e nem receberam o Auxílio Emergencial em 2021 terão desconto de até 77% do valor consolidado da dívida, inclusive principal, por meio da liquidação integral do saldo devedor em até 15 prestações mensais e sucessivas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Como conseguir 90% de desconto no Fies?

Inadimplentes do Fies que estejam inscritos no CadÚnico e tenham débitos vencidos e não pagos há mais de 360 dias (completados em 30 de junho de 2023), o desconto é de até 99% do valor consolidado da dívida e 100% dos juros e multas por atraso. Os demais estudantes podem ter descontos de até 77% da dívida consolidada.

Leve os documentos que comprovem sua inscrição no CadÚnico e solicite esta opção de parcelamento no momento da renegociação. 

O que acontece se eu não pagar a dívida do Fies?

Não pagar o Fies deixará o seu "nome sujo", ou seja, você terá o CPF inscrito no SPC e no Serasa. São medidas que te impedem de conseguir crédito, empréstimos, financiamentos e até compras parceladas.

Além da inscrição no CADIN (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal), que impossibilita a abertura de contas, a concessão de empréstimos na rede bancária, a apreensão de bens e até o bloqueio de restituição do Imposto de Renda, que somente é liberado após o pagamento do débito.

Quem pode ter a dívida do Fies perdoada?

A renegociação de dívidas do Fies tem como objetivo proporcionar condições especiais para contratos celebrados até o final de 2017, com débitos vencidos e não pagos até 30 de junho de 2023. Entre os principais benefícios oferecidos estão descontos de até 99% do valor da dívida, 100% de redução nos juros e condições facilitadas de parcelamento.

Até o início de janeiro, dois meses após o lançamento da iniciativa, aproximadamente 164,5 mil pessoas já haviam renegociado suas dívidas. Durante esse período, os acordos celebrados totalizaram mais de R$ 7,6 bilhões.