Topo
pesquisar
Em 29/05/2018 15h36, atualizado em 30/05/2018 14h11

Enem: queda no número de inscritos é para diminuir prejuízo, diz MEC

Notícias

Para ministro, quantidade é mais próxima aos que comparecem às provas, o que diminui o prejuízo com os faltosos. Por Lorraine Vilela Campos
PUBLICIDADE

O número de inscrições confirmadas do Enem 2018 foi o menor dos últimos sete anos: 5.513.662. Em coletiva de imprensa realizada hoje, 29 de maio, o ministro da Educação, Rossieli Soares, afirmou que essa quantidade está mais próxima ao número dos que fazem as provas, o que representa "o sucesso das mudanças adotadas pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para promover a inscrição consciente e evitar o desperdício da verba pública". 

Veja também: Número de inscrições do Enem 2018 é o mais baixo desde 2011

A última edição do Enem teve 6.731.344 inscrições confirmadas. Destes participantes, 4.714.088 compareceram ao exame. Os 2.017.253 de ausentes (isentos e pagantes) representaram um prejuízo total de R$ 176.590.327,62 . 

Entre 2013 e 2017, os ausentes no Enem causaram um prejuízo de quase R$ 1 bilhão, de acordo com dados do Inep. Dentro deste quadro, a maior parte dos faltosos é composta por participantes contemplados com a isenção da taxa. 

Prejuízos com ausentes do Enem

Mudanças x Queda nas Inscrições

Com o uso de suas notas para ingresso em universidades, no Sistema de Seleção Unificada (SiSU), além das bolsas de estudos do Programa Universidade Para Todos (ProUni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), o Enem deixou de ser um meio de avaliar o ensino médio e ficou cada vez mais popular. 

As inscrições no Enem foram aumentando a partir de 2011, sendo o seu recorde em 2014 (8,7 milhões de inscritos confirmados).

Enem 2018 5,5 milhões
Enem 2017 6,7milhões
Enem 2016 8,6 milhões
Enem 2015 7,7 milhões
Enem 2014 8,7 milhões
 Enem 2013  7,1milhões
Enem 2012 5,7 milhões
Enem 2011 5,4 milhões
  • Aumento da taxa 

O Enem 2014 foi o último em que a taxa cobrada foi de R$ 35, valor relativamente baixo se comparado aos vestibulares tradicionais. Em 2015, o preço para participar das provas deu um salto para R$ 63, o que assustou parte dos estudantes e freiou um pouco as participações, havendo uma queda de 1 milhão de inscritos. 

Em 2016, o crescimento da taxa foi pouco: de R$ 63 para R$ 68. Esta edição apresentou novo aumento nas inscrições e chegou próximo ao recorde de 2014, fechando em 8,6 milhões de inscritos confirmados. 

Já o Enem 2017 pegou milhares de estudantes de surpresa. A taxa do exame subiu de R$ 68 para R$ 82. A justificativa do Inep foi o custo operacional do exame e a atualização monetária

  • Novidades

Além da alta do valor na taxa, o Enem 2017 trouxe consigo outras mudanças:

=> Novos critérios para concessão de isenção e o fim da autodeclaração de carência;
=> Mudança da prova para dois domingos consecutivos, não mais apenas um fim de semana;
=> Fim da certificação do ensino médio pelas provas. 

O conjunto dos fatores citados acima pode ter ajudado na queda dos inscritos em relação aos anos anteriores. O Enem 2017 teve 6,7 milhões de inscrições confirmadas, uma queda de quase 2 milhões em relação à prova anterior. 

Com o Enem 2018 não foi diferente. Com o objetivo de diminuir o prejuízo com os isentos faltosos, o Inep colocou o prazo de pedidos de isenção antes das inscrições. Os participantes tiveram que se cadastrar e apresentar a documentação de 2 a 15 de abril. Dos 3.818.663 estudantes que solicitaram isenção, 3.318.149 tiveram o pedido aprovado.

Sendo a antecipação do prazo da isenção uma novidade, muitos estudantes perderam as datas. Excepcionalmente, o Inep concedeu a isenção aos concluintes do ensino médio de escolas públicas que fizessem a inscrição no Enem 2018, mesmo os que não solicitaram a gratuidade da taxa. Com isso, a quantidade de isentos subiu para 3.521.181.

Quem obteve isenção no Enem 2017 e não foi ao exame teve que justificar a falta para conseguir a gratuidade nas provas de 2018. Os documentos oficiais também foram recebidos em abril.  

Nome Social

Segue até o dia 3 de junho o prazo para a solicitação do atendimento pelo nome social no Enem 2018. Travestis e Transexuais podem fazer o pedido pela Página do Participante. As orientações completas podem ser conferidas nesta notícia

O uso do nome social no Enem começou em 2014, quando 102 participantes transexuais e transgêneros fizeram as provas com o atendimento diferente do nome civil (de nascimento). 

2014: 102 participantes
2015: 278 participantes
2016: 407 participantes
2017: 303 participantes

A diminuição na edição de 2017 pode estar relacionada à queda no número geral de inscritos no Enem, caso a quantidade seja comparada aos anos anteriores.

Provas do Enem 2018

O MEC informou na coletiva de hoje (29) que o Cartão de Inscrição do Enem 2018, contendo os locais de prova, serão divulgados a partir de 22 de outubro. 

O Enem 2018 será realizado em 4 e 11 de novembro. As provas serão divididas da seguinte forma:

  • 4 de novembro: 45 questões objetivas de Ciências Humanas; 45 questões objetivas de Linguagens e Códigos; Redação.
  • 11 de novembro: 45 questões objetivas de Matemática; 45 questões objetivas de Ciências da Natureza.

Os participantes privados de liberdade (PLL) farão as provas do Enem 2018 nos dias 18 e 19 de dezembro. A quantidade de questões será a mesma da edição tradicional. Na apresentação divulgada pelo instituto, constava que as provas para PLL seriam em 18 e 19 de novembro, mas a Assessoria de Imprensa da pasta informou que houve equívoco no momento da publicação do documento. 

Os gabaritos do Enem 2018 estão previstos para o dia 14 de novembro. Já o resultado do exame é esperado para 17 de janeiro de 2019

BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Enem Brasil Escola