Topo
pesquisar
Em 10/12/2015 18h03

Vírus Zika e o grande surto de microcefalia

Atualidades

O vírus Zika e o grande surto de microcefalia apresentam relação direta, sendo fundamental, portanto, o controle do mosquito que transmite o vírus. Por Vanessa Sardinha dos Santos
Os mosquitos do gênero Aedes são responsáveis pela transmissão do vírus Zika
Os mosquitos do gênero Aedes são responsáveis pela transmissão do vírus Zika
PUBLICIDADE

Uma doença recém-chegada no Brasil está deixando todos em alerta, em especial as grávidas: a Febre por vírus Zika. Essa doença, causada pelo vírus Zika, apesar de, até então, não estar relacionada com danos graves à saúde, foi relacionada recentemente com um grave surto de microcefalia no Brasil.

O vírus Zika é um arbovírus da família Flaviviridae, que assim como a dengue e a chikungunya, é transmitido pelos mosquitos do gênero Aedes, como o Aedes aegypti. Além dessa forma de contaminação, estudos indicam que a transmissão pode ocorrer de forma perinatal, sexual e até mesmo transfusional.

O vírus foi descoberto em 1947 em um macaco que vivia na Floresta de Zika, em Uganda (daí a origem do nome). No Brasil, o vírus foi introduzido em 2014, e as hipóteses mais aceitas é que ele tenha chegado ao território brasileiro durante a Copa do Mundo desse mesmo ano.

Após a introdução, o vírus espalhou-se rapidamente por grande parte do Brasil, e a transmissão autóctone foi confirmada em abril de 2015. Segundo o Boletim Epidemiológico nº36 de 2015, até a semana epidemiológica 45, autóctone Unidades da Federação já haviam confirmado a doença com transmissão autóctone.

Ao se contaminar com o vírus Zika, o paciente pode apresentar febre, vômitos, tosse, dores no corpo, de cabeça, musculares e nas articulações, mal-estar, irritação nos olhos e manchas no corpo. A doença normalmente tem duração de três a sete dias e pode ser assintomática em alguns casos.

De uma maneira geral, considera-se que a febre por vírus Zika não causa grandes complicações, mas, recentemente, observou-se o comprometimento do sistema nervoso central em alguns casos. Além disso, a infecção pelo vírus Zika foi associada ao desenvolvimento de microcefalia, uma malformação em que recém-nascidos possuem perímetro cefálico menor que o normal (menor que 33 cm). Essa malformação está relacionada com retardo mental em 90% dos casos, além de desencadear comprometimento da fala, audição e visão, baixo peso e episódios de convulsão.

Apesar de a microcefalia também ser causada por infecções, problemas genéticos, contato com produtos radioativos e utilização de substâncias químicas, observou-se uma relação direta entre o vírus Zika e o grande surto em 2015. A suspeita foi levantada após mães de bebês com microcefalia relatarem que, durante a gestação, apresentaram sintomas da contaminação por vírus Zika. Em razão do grande número de casos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta em 1º de dezembro de 2015 para que todos os países ficassem atentos aos casos de febre por vírus Zika em seu território.

Assim como a dengue, a febre por vírus Zika não possui tratamento específico, sendo recomendado apenas o tratamento de sintomas. O uso de paracetamol ou dipirona pode ajudar o paciente a diminuir a dor e, em casos de coceiras, pode ser recomendado o uso de anti-histamínicos. Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico, uma vez que aumenta os riscos de hemorragias.

Por não ter tratamento nem vacina, a melhor maneira de evitar complicações é protegendo-se do mosquito que transmite o vírus. As medidas de prevenção da febre por vírus Zika são as mesmas utilizadas na prevenção contra a dengue e a chikungunya, isto é, voltam-se para a eliminação de criadouros do mosquito. Além do combate ao mosquito, as pessoas podem desenvolver algumas proteções individuais, como usar roupas de manga comprida, telas nas janelas e portas e mosquiteiros. O uso de repelente também é indicado, mas grávidas podem utilizar apenas repelentes com DEET na concentração de 10% a 30%.

Como esse tema pode ser cobrado em vestibulares e Enem?

Em razão do grande surto de microcefalia em 2015, muitas provas de vestibular e o Enem devem abordar esse assunto. Esse ponto é bastante importante, pois mostra como a falta de conhecimento a respeito de uma determinada doença pode causar danos consideráveis em uma geração.

Diante da importância do tema abordado, é fundamental que o aluno que esteja se preparando para a prova tenha noções básicas sobre esse grave problema de saúde pública. É fundamental conhecer as formas de transmissão, compreender a relação entre o Aedes e a microcefalia, bem como as formas de prevenção. Compreender os assuntos em destaque em saúde pública pode ajudar bastante no momento da prova, uma vez que a cada dia as questões apresentam-se mais contextualizadas.


Por Ma. Vanessa dos Santos

PUBLICIDADE
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola