Whatsapp
Em 30/06/2008 17h17 , atualizado em 29/04/2009 11h55

A imaturidade pode atrapalhar a estada de quem faz intercâmbio

Intercâmbio

Por Marla Rodrigues
PUBLICIDADE
Aos 17 anos, Letícia Moraes – hoje com 21 e estudante de Odontologia – embarcou em uma aventura inesquecível: fez as malas, arrumou coragem e viajou sozinha para Tunbridge Wells, na Inglaterra.

Na época ela estava terminando o 2º ano do 2º grau e havia se formado em inglês em uma escola de línguas, mas queria ter a certeza de que estava apta a enfrentar qualquer desafio neste idioma. Foi a partir daí que ela teve a idéia de fazer um intercâmbio. Ela só não sabia como...

Uma vizinha, professora de inglês, deu a ela algumas dicas e indicou cidades em que ela poderia ficar, além de fazer o contato com uma escola de inglês para estrangeiros (Cicero Languages International). A escola mesmo escolheu uma família para recebê-la, mas Letícia poderia trocar de casa caso não gostasse do ambiente familiar.

A cidade de Tunbridge Wells, na Inglaterra, é uma cidade pequena e bem tranqüila, segundo Letícia. Mesmo pequena, possui toda a infra-estrutura de cidades grandes, com shoppings, metrô, trens... A casa em que ela ficou tinha apenas um casal, um cachorro e uma outra intercambista, do Japão. “Tinha muito japonês e coreano, mas nenhum brasileiro!”

Durante sua estada de pouco mais de 40 dias, Letícia fez muitos amigos, mas só mantém contato ainda com uma chilena – que promete encontrar muito em breve. Com esses amigos ela fez duas excursões: uma para a Escócia e outra para a França.

Mesmo acompanhada, Letícia se sentiu muito sozinha e teve vezes em que chorava o dia todo. Ela credita esses problemas à sua imaturidade: “Eu era muito nova, imatura, nem fazia idéia do que seria esta viagem e eu acabei aproveitando pouco. Se fosse hoje, eu não teria ficado nem um fim-de-semana em casa!”

Quatro anos depois ela garante querer fazer outro intercâmbio, mas que desta vez quer que a viagem agregue algum valor ao seu currículo na área de Odontologia. De qualquer forma, Letícia assegura que sempre vale a pena viajar e que toda experiência é válida, mas alerta: “Se os jovens de 17 anos tiverem a oportunidade de esperar mais um pouco antes de fazer um intercâmbio, esperem. Às vezes, a imaturidade pode ser muito prejudicial.”
Artigos Relacionados
Confira as dicas de duas mães de intercambistas. Como saber se seu filho está preparado para um intercâmbio.
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES