Topo
pesquisar
Em 07/02/2009 10h22, atualizado em 05/06/2009 11h31

Casa velha

Resumos de Livros

Por Marla Rodrigues
PUBLICIDADE
Ele era um padre e resolvera escrever um livro contando a história do Imperador Pedro I, mas logo desistiu, ficando apenas a escrever poemas. Entretanto, o chamado padre Luís Gonçalves dos Santos havia escrito memórias sobre a época do rei. Então quando viu a falta de qualidade do texto, decidiu escrever ele mesmo a história do imperador e assim mostrar o talento do clero ao redigir.

Foi nessas circunstâncias que deu início à sua freqüência na chamada Casa Velha, após o padre Mascarenhas, pregador da capelinha da casa, insistir muito. Ali vivera um ministro que trabalhara para o Imperador. Agora na casa viviam apenas seu filho, Félix, sua viúva, D. Antônia e os empregados.

Ele, com a permissão da viúva, logo deu início ao estudo dos papéis e livros que estavam na biblioteca do ex-ministro. Em pouco tempo já se tornara amigo da família. Félix mostrava nutrir uma grande amizade pelo padre e vice-versa. Ele geralmente só voltava à sua casa ao anoitecer e passava ali o dia tomando notas na biblioteca, tendo conversas com Félix e almoçando com a família.

Sendo amigo da família, D. Antônia veio pedir-lhe que convencesse Félix de ir a Europa, e que o padre acompanhasse o rapaz. Enquanto isso, o rapaz confiava ao padre a vontade de ser deputado. O padre dava apoio à idéia dele e quando o inquiriu sobre a Europa ouviu de Félix que não podia ir.

Nesses dias chegou à Casa Velha uma mocinha com cerca de dezessete anos, chamavam-na de Lalau, tinha lindos olhos e aparentava ter uma linda alma também. Ela era agregada na casa, ficou órfã muito cedo e fora criada pela tia. Estando o padre na biblioteca, certa vez recebeu a visita de Lalau, ocasião em que ficaram um bom tempo conversando e ela lhe falou como trocaria tudo para ter a companhia de sua mãe de volta.

Ele já estava encantado pela menina, chegou a ver nela certo interesse por Félix, mas notou que parecia que ela o estimava mais. Depois observando o rapaz acreditou que ele, na verdade, fazia uma linha de sedutor. Entretanto, essa idéia se mostrou errada. Estando em sua casa, recebeu a visita de Félix e conversando com ele falou que Lalau devia se casar, ele citou que a mãe já pensara em um noivo para a menina, Silvirino – filho do segeiro. O padre então disse que ele não era um bom noivo para ela, visto que ela tinha recebido da melhor educação por parte de D. Antônia, e que o noivo ideal para ela era o próprio Félix.

Depois dessa conversa ele soube que os dois se amavam e ficou encarregado de interceder a favor do casamento dos dois com D. Antônia que era uma mulher orgulhosa e queria fazer do casamento do filho uma aliança entre famílias. Ele conversou muito com ela, mas o casamento não fazia a sua vontade e chegou até a confessar que Lalau era o motivo pelo qual queria que o filho fosse a Europa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Alguns dias depois chegaram à Casa Velha alguns hóspedes para assistir as missas e participar da festa da Glória. Nesse episódio, ele pôde ver o interesse que D. Antônia tinha em ligar o filho a Sinhazinha, filha de um coronel que lhe ajudara com os relatos sobre o Imperador.

No dia seguinte à partida de todos, inclusive Lalau, que tinha voltado para a casa da tia, o padre chegou à casa de D. Antônia e notou sua preocupação. Questionada, ela deixou claro que acreditava que o casamento de seu filho e Lalau era impossível porque ela era filha do ministro, que teve seus romances fora do casamento. Ficou na responsabilidade dele contar que aos dois que eram irmãos.

Primeiro falou a Félix. Este ficou demasiadamente triste e passou a noite fora de casa, caminhando e refletindo. No outro dia confidenciou ao padre que agora o amor que tinha por Lalau se convertera em amor de irmão. Já Lalau, quando voltou à Casa Velha e encontrou os ares diferentes e a frieza de Félix, se entristeceu profundamente. Acreditava ter sido motivo de escárnio para Félix e afirmava não merecer nada diferente já que era pobre. Até que finalmente lhe contou o que se passava e a moça, tomada de tristeza, voltou para a casa da tia.

Lalau agora desejava apenas viver do trabalho que pudesse fazer para se sustentar e nunca iria se casar. Na Casa Velha, D. Antônia trabalhava para casar o filho com Sinhazinha e assim curá-lo totalmente da antiga paixão e também poder retomar a presença de Lalau em sua casa. A este ponto o padre já havia terminado seus estudos na biblioteca do ex-ministro.

Era seu último dia ali quando encontrou um bilhete que o fez procurar a tia de Lalau, Mafalda. Ele finalmente contou a ela o motivo do rompimento de Lalau com os moradores da Casa Velha. Sabendo da verdade, ela pode esclarecer os fatos. Era verdade que o ministro teve um caso com sua cunhada, mas nesse tempo Lalau já era nascida. O anjinho a que o ministro fazia menção no bilhete encontrado era o bebê, fruto de sua infidelidade, que morrera aos quatro meses de idade.

Alegremente, o padre foi procurar D. Antônia e contou-lhe toda a verdade. E ela também lhe contou toda a verdade. Ela criara a história sobre Félix e Lalau serem irmãos como último pretexto para impedir o casamento, e agora sabia que supusera corretamente, mas estava arrependida e aceitava o casamento do filho.

Félix se alegrou intensamente com a notícia, mas Lalau não. Esta não aceitou o casamento e disse que seria uma vergonha casar-se com o filho do homem que envergonhara sua família. Assim ela fez sua recusa e não cedeu às insistências do padre, da tia e até mesmo de Félix. Ao final ela se casou com Silvirino e Félix com Sinhazinha. Foram honestos, felizes não se sabe.

Por Rebeca Cabral

BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola