Greve dos caminhoneiros no Enem e Vestibular

Professores de Geografia explicam a crise do transporte de cargas no Brasil e indicam como o problema pode ser abordado nos vestibulares e Enem.

A greve dos caminhoneiros literalmente parou o Brasil em maio. Durante cerca de duas semanas, a greve foi o principal tema dos noticiários do país e, até hoje, suas consequências repercutem nos jornais, seja na TV, rádio, impresso ou internet. Diante deste cenário, é bem provável que o assunto apareça nos vestibulares e no Enem.

De acordo com o professor de Geografia do curso e colégio Oficina do Estudante, Bruno Saneti, o aluno precisa se ater ao fato de como a ação interfere no planejamento da malha de transporte para o futuro. “A greve dos caminhoneiros revelou outras faces da precariedade na administração. No total, a economia sofreu um revés de cerca de R$ 75 bilhões” - afirma o professor.

Bruno Saneti também destaca que o Brasil está dependente do uso de combustíveis fósseis na frota destinada ao fluxo de cargas. Na Rússia, por exemplo, há 43 mil Km de ferrovias eletrificadas, o que diminui a dependência pelo diesel ou outro combustível fóssil.

Falando em ferrovia, o professor de Geografia do Oficina do Estudante aponta que a expansão da malha de trilhos no país abriria caminho para geração de emprego e renda e, por isso, deve ser estimulada. “No entanto, as barreiras incluem o lobby dos congressistas em relação às empresas petroleiras”, ressalta Saneti. 

Ferrovia el├ętrica
Ferrovias elétricas diminuem a dependência do país por combustíveis fósseis
Crédito: JetKat / Shutterstock

Como chegamos a esse ponto?

Para entender um pouco mais sobre a situação do transporte de cargas no Brasil e as consequências da greve dos caminhoneiros, o Brasil Escola conversou também com o professor de Geografia do QG do Enem, João Felipe Ribeiro. 

Como o Brasil ficou dependente dos caminhões para transporte de carga?

O Brasil, na verdade, foi um país de transporte ferroviário até meados do século XX e a partir daí há uma opção pelo transporte rodoviário, notadamente a partir do Governo JK. Havia alguns investimentos rodoviários anteriores, mas é a partir do JK que se consolida. Essa opção tem a ver com pressa, o famoso “50 anos em 5”, e era necessário integrar o território brasileiro. 

A rodovia acaba sendo uma opção pior para a gente porque as distâncias no Brasil são grandes e o volume de cargas a serem transportadas também é grande, então, o ideal é que fosse ferrovia ou hidrovia. 

As ferrovias que existiam antes no Brasil não integravam o território porque o objetivo delas não era fazer integração, era ligar área de produção até um porto. Assim, na necessidade de integrar o território, optou-se pela rodovia porque era mais barato e rápido para fazer. Sem contar que o JK estava trazendo multinacionais do setor automobilístico para cá, então optar pela rodovia ajudaria essas empresas na venda de automóveis e, consequentemente, faria economia crescer mais rápido.

Atualmente, as rodovias são quase 60% do transporte de carga do Brasil. As ferrovias vêm depois, chegando na casa dos 25%, em seguida hidrovia e, depois, um pouquinho de dutos e transporte aéreo.

Quais as ferrovias mais importantes do Brasil?

As ferrovias mais importantes do Brasil em ação atual são para levar minério. A principal delas é a Estrada de Ferro Carajás, que tem quase 900 km e vai do sudeste do Pará até o porto de São Luiz. A Estrada de Ferro Vitória a Minas também é importante. O Brasil, mesmo na fase rodoviarista, fez ferrovias importantes para levar minério porque a atividade de transporte de minério exige uma capacidade de carga muito alta. 

Agora, quem tem o potencial de ser a principal ferrovia do Brasil é a Ferrovia Norte-Sul porque é uma espécie de espinha dorsal no território brasileiro. No projeto, ela vai ligar Belém até o Rio Grande do Sul. O problema todo é a lentidão. Para se ter uma ideia, ela começou a ser feita no Governo Sarney, isso tem 30 anos, e hoje ela ainda não está pronta. Atualmente, ela liga o estado do Maranhão, a Estrada de Ferro Carajás até Goiás, mas mesmo assim está com problemas para funcionamento, pois a obra foi feita com má qualidade. Há problemas na brita, nas pedras que sustentam os dormentes e os trilhos, mas ela tem o potencial de ser a principal ferrovia brasileira.

Transporte de cargas no Enem

O Enem já teve questões envolvendo transportes no Brasil, inclusive na prova do ano passado. Foi uma questão relativamente difícil porque cobra o conhecimento do equívoco do sistema de transporte de cargas no país, que leva de caminhão produtos de baixo valor agregado, como a soja.

Questão do Enem 2017 sobre o transporte de cargas no Brasil

Correção comentada da questão: De acordo com o texto, os gargalos de escoamento de produção fazem com que os pontos fiquem sobrecarregados e, como consequência, ocorram problemas relacionados à entrega de produtos e longas filas nos portos. Dessa forma, a construção de novos terminais atracadouros auxilia no escoamento da produção e fornece nova alternativa para resolução do problema logístico.

-----------------------------------------------------------
Crédito da foto: Antonio Scorza / Shutterstock 


Fonte: Brasil Escola - https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/atualidades/greve-dos-caminhoneiros-no-enem-vestibular.htm