Abordagens de História da África no Enem

As abordagens de História da África no Enem frequentemente se relacionam com análises dos aspectos culturais africanos na composição da identidade brasileira.

Olá pessoal, como vai?! 

Este texto destaca a importância do estudo da História da África para as provas do Enem, bem como analisa uma das abordagens sobre este tema que, geralmente, o Enem vem desenvolvendo nas suas últimas provas – trata-se dos aspectos africanos na cultura brasileira. Entretanto, é necessário, inicialmente, conhecer um pouco das diretrizes que orientam a elaboração das provas do Enem, as quais se relacionam com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Estes parâmetros têm por objetivo sugerir perspectivas pedagógicas para o ensino escolar e, também, elaborar estratégias de inserção destas perspectivas na sociedade. 

Nos PCNs, a História, assim como a Sociologia, a Filosofia e a Geografia, está inclusa num grupo específico de disciplinas intitulado “Ciências Humanas e suas tecnologias” - termo este que vigora do Enem para indicar as questões relacionadas à área de Humanas. Essas disciplinas geralmente se inter-relacionam nas provas do Enem, e, muitas vezes, alguns temas delas também aparecem relacionados às disciplinas de outros grupos, tal como as do grupo intitulado: “Ciências da Natureza e suas tecnologias”. A interdisciplinaridade, vale notar, é uma das características principais do Enem. Fique atento a isso!

No que se refere às “tecnologias” esperadas com relação à disciplina de História, os PCNs são bem específicos: as ciências humanas têm o potencial de fornecer capacidade de compreensão e contextualização de problemas da sociedade como um todo, bem como preparar os estudantes para a vida em sociedade e para o exercício da cidadania. O Enem estabelece um tipo de abordagem da História em suas questões que leva em consideração esta forma de pensar. Sendo assim, o estudo de  História da África, além de possibilitar ao estudante uma melhor compreensão dos aspectos sociais, políticos e culturais daquele continente, possibilita também um tipo de comportamento, junto à sociedade, que o libera de perspectivas preconceituosas ou discriminatórias relacionadas à África e à cultura africana; como é o caso do racismo, por exemplo.  Desde o ano de 2003, o ensino de História da África é obrigatório no Brasil. Esta medida foi motivada exatamente pelo potencial de promoção da compreensão, da cidadania e da tolerância que o estudo de História em geral, e da História da África em particular, pode fornecer. 
 
É importante, então, para se fazer uma boa prova do Enem, saber os pontos principais sobre a história africana. Isso implica estudar temas que vão desde a Pré-história até a Idade Contemporânea, passando pela Idade Antiga, na qual se destacam as civilizações egípcia, núbia e cartaginesa – todas elas desenvolvidas em território africano –; pela Idade Média, na qual merece destaque os reinos africanos do Congo, do Mali, de Benin, e a expansão islâmica pelo norte africano; e, também, pela Idade Moderna, que, para o Brasil e para Portugal, constitui um momento de suma importância, já que foi nessa época que se iniciou o processo de colonização em terras brasileiras e o subsequente emprego de mão de obra escrava, comprada ou conquistada dos reinos da África. Para maiores detalhes, consulte os links seguintes:África, África Pré-colonial, Primeiros povos africanos, Escravidão na África, África Portuguesa, Comércio de escravos na África, Descolonização da África. Tomaremos, agora, um destes temas e analisaremos a forma como ele foi abordado na prova do Enem de 2013. Trata-se da contribuição dos aspectos da cultura africana para a formação histórica do Brasil. 

Na imagem abaixo você poder observar a questão 38, do caderno 1, de cor azul, do Enem de 2013, com a alternativa correta marcada na cor verde:

Questão do Enem de 2013 sobre os aspectos culturais africanos na composição da identidade brasileira.
Questão do Enem de 2013 sobre os aspectos culturais africanos na composição da identidade brasileira.

Ao ler o texto da questão, extraído dos “Cadernos do Arquivo 1: Escravidão em Minas Gerais”, do Arquivo Público Mineiro, você pode perceber que há nele uma concepção de História que reprova um simples “resgate ingênuo do passado” ou “seu cultivo nostálgico”. Ao contrário, no texto, a História está associada à compreensão da complexidade do tema, que é a contribuição dos aspectos culturais africanos à cultura brasileira, e a importância que este tema tem na formação da identidade brasileira, como fica patente na frase “perceber o rosto cultural brasileiro”. 

Logo após o texto, a questão exige que o candidato aponte a alternativa que leve em consideração a “análise das manifestações culturais de origem africana, como o candomblé e a capoeira”, claro, pautando-se pelo texto. Como dissemos no parágrafo anterior, essa “análise” se vincula a uma concepção de História muito específica, que associa compreensão histórica e a construção da identidade do Brasil.  É esta concepção de História que direciona o candidato que lê a questão a assinalar a alternativa “C”, ou seja, os aspectos referidos, explicitados nos exemplos dados (capoeira e candomblé) “derivam da interação entre valores africanos e a experiência histórica brasileira”. 

Veja bem que a leitura atenta e cuidadosa dos textos é decisiva para ter uma visão completa da estrutura da questão. É essa leitura que irá te fornecer segurança e fundamentos para analisar as cinco alternativas propostas. Veja alguns textos para aprofundar seu conhecimento sobre o tema:

África

África Pré-colonial

Primeiros povos africanos

Escravidão na África

África Portuguesa

Comércio de escravos na África

Descolonização da África

Democracia Racial

Bons estudos!


Fonte: Brasil Escola - https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/enem/abordagens-historia-Africa-no-enem.htm