Topo
pesquisar
Em 08/05/2015 11h40, atualizado em 12/05/2016 16h33

5 dicas para reduzir os gastos enquanto estuda nos Estados Unidos

Estudar no Exterior

Conseguir bolsa de estudo e trabalho de meio-período podem ser ótimas soluções para não passar aperto no exterior Por Hotcourses Brasil
PUBLICIDADE

O site USA Today reuniu algumas dicas para ajudar a economizar, reduzir gastos e conseguir assistência financeira durante os estudos acadêmicos nos Estados Unidos. A educação universitária na América é cara, consequentemente, inúmeros americanos recorrem a empréstimos. Segundo o USA Today, no país, a média da dívida de empréstimo estudantil em 2014 foi de US$ 30.000. Os especialistas recomendam que a dívida total do empréstimo não alcance o valor que o estudante espera conquistar durante o primeiro ano após a graduação – ou seja, o valor emprestado durante os quatro anos de estudo deve ser menor que o salário anual inicial de um profissional recém graduado. Sendo assim, se um americano espera fazer US$ 30.000 no primeiro ano após a graduação deverá emprestar no máximo US$ 7.500 por ano durante o curso.

Infelizmente, a realidade exige que os universitários se endividem muito mais e passem vários anos após a graduação pagando os empréstimos da época universitária com juros. Por isso, se a sua intenção é estudar nos Estados Unidos (ou em qualquer outro país no exterior), deve planejar muito bem o seu orçamento e fazer uso de todas as possibilidades para reduzir os gastos e conseguir assistências financeiras. Conheça algumas a seguir.

1. Bolsas de estudo

As bolsas de estudo são muito procuradas porque, diferente dos empréstimos, são ajudas financeiras que não precisam ser pagas de volta. Nos Estados Unidos, as universidades têm diferentes tipos de bolsas disponíveis, das esportivas e acadêmicas às concedidas a talentos especiais na música ou na ciência, entre outras (inclusive algumas específicas a estudantes internacionais). As bolsas de estudo são bancadas pela própria universidade, como também por empresas e organizações públicas e privadas. 

Normalmente, se o estudante conseguir uma oferta de bolsa de estudo pela universidade, não pode aceitar uma oferta externa feita por uma organização, e vice-versa. Portanto, é necessário avaliar bem as opções e as vantagens de cada uma delas antes de aceitar uma oferta.

Leia outros artigos sobre bolsas de estudo:
Como abordar universidades internacionais sobre bolsas de estudo
Bolsas de estudo no exterior 100%: isso é possível?
Bolsas de estudo para atletas nos Estados Unidos
Bolsas de estudo no exterior – Entenda os termos

2. Potencialize a assistência financeira

Pense estrategicamente sobre assistência financeira antes mesmo de se inscrever. Se você for admitido entre os 30% melhores candidatos em uma instituição dos Estados Unidos, é bastante provável que ela lhe oferecerá um pacote de assistência financeira generoso. Portanto, estar preparado para a inscrição e ter um bom desempenho escolar ajuda, sim, na hora de conseguir uma bolsa ou qualquer outro tipo de assistência com os custos dos estudos.

3. Reduza os custos

Muitos estudantes internacionais querem experimentar a vida no campus, mas um dormitório acadêmico costuma ser a opção mais cara de acomodação. Há diferentes tipos de moradia que podem ajudar a economizar (veja aqui), como, por exemplo, alugar um imóvel em conjunto com outros estudantes.

Outra forma de economizar é na alimentação. Se você escolher preparar as suas próprias refeições ao invés de pagar um plano universitário para comer nos refeitórios, poderá fazer as suas compras e optar por produtos baratos ou em promoção. A maioria das escolas americanas oferece acesso a uma cozinha que é compartilhada entre estudantes. Economize também com o transporte, optando por ir a pé à universidade ou comprando uma bicicleta usada pelo eBay ou em uma venda de garagem (bastante popular nos EUA).

4. Encontre um trabalho de meio-período na universidade

Com um visto de estudante F-1, você pode trabalhar nos Estados Unidos em funções dentro da universidade por até 15 horas semanais. Estes empregos de meio período são remunerados e ajudam a pagar por materiais, livros e outras despesas extras. Durante as férias de verão, os estudantes internacionais podem trabalhar por algumas horas extras semanais, uma oportunidade de guardar um pouco mais de pé de meia para o próximo ano letivo.

5. Forme-se na data certa

Uma das formas mais comuns de gastar mais do que o esperado durante os anos acadêmicos é levando mais do que quatro anos para se graduar. Nos Estados Unidos, isto é tão comum que os americanos levam em média quatro anos e meio para concluir uma graduação. Ou seja, têm seis meses de gastos extras do que o esperado. (Além de atrasar o início da vida profissional).

Por Brenda Bellani

PUBLICIDADE
BANCO DE REDAÇÕES

Elabore sua redação com o tema atual e as publique aqui no banco de redações

Tema

PESQUISA DE FACULDADES
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Educador Brasil Escola